sexta-feira, 30 de setembro de 2016

Investigadores testam banda larga no mar dos Açores

Uma equipa de técnicos do Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência (INESC TEC) concluiu hoje, com "sucesso", um conjunto de testes com banda larga no mar dos Açores.


A operação, designada por "BLUECOM+", é um projecto que visa tornar possível aceder à Internet em zonas remotas do oceano, a mais de 100 quilómetros da costa, em banda larga e com baixo custo, utilizando tecnologias como o Wi-Fi e o 4G.

"Foi um sucesso. Conseguimos demonstrar capacidade de banda larga verdadeiramente, com uma vídeo-chamada por Skype entre uma pessoa na embarcação e uma pessoa que estava em terra", sublinhou Rui Campos, investigador do INESC TEC, durante uma saída para o mar junto à costa sul da ilha do Faial.
Segundo explicou, o conceito utilizado nestes testes é semelhante ao dos routers sem fios que existem na maioria das habitações no nosso país, para acesso ao Wi-Fi, que neste caso, permite a ligação entre um "hot spot" instalado numa embarcação, por exemplo, e a ligação de banda larga existente em terra.
Segundo Rui Campos, o desafio agora reside em "evoluir para a banda larga ainda superior" à que actualmente é disponibilizada por estes equipamentos, reconhecendo que o ambiente marinho ainda coloca algumas dificuldades na evolução das novas tecnologias.
O projecto "BLUECOM+" tem como parceiros o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) e a empresa norueguesa MARLO AS, e pretende facilitar as tarefas de monitorização ambiental, pescas, investigação científica, náutica de recreio e o transporte marítimo.
"Há uma enorme potencialidade desta tecnologia para vários usos, desde logo para os pescadores poderem relatar as suas capturas em tempo real, sem terem de fazer comunicações por satélite ou outro tipo de comunicação", exemplificou o secretário regional da Ciência e Tecnologia.
Fausto Brito e Abreu lembrou que a investigação científica que se faz no mar da região, sobretudo através do Departamento de Oceanografia e Pescas da Universidade dos Açores, será também beneficiada com esta nova tecnologia.
Segundo o governante, o conceito deste projecto baseia-se na utilização de balões de hélio ancorados, por exemplo, em bóias, embarcações ou parques eólicos, permitindo formar uma rede voadora emalhada de banda larga a operar nas bandas de frequência libertadas pela televisão analógica.
O projecto em causa será implementado a longo prazo, prevendo-se que só dentro de cinco anos, aproximadamente, é que todo o arquipélago tenha uma cobertura integral em banda larga no mar dos Açores.

Do mar ao prato

Que se pode esperar quando biólogos, chef"s e um ilustrador científico resolvem abraçar um projecto inovador e reunir em livro, com criatividade, o resultado de um profundo trabalho de investigação?


O resultado só pode ser aliciante: "Do mar ao prato - biologia, ilustração, gastronomia" -, apresentado na fortaleza de Peniche, pelo Instituto Politécnico de Leiria/Escola Superior de Turismo e Tecnologia do Mar (IPL/ESTM) é uma ode aos recursos do mar.
A obra, com 130 páginas de cuidado e apelativo grafismo e com a mais-valia da ilustração científica, alerta para a crescente necessidade da sustentabilidade ambiental e dá forte contributo para a sensibilização dos consumidores, estimulando e promovendo o consumo responsável dos recursos marinhos.
O exaustivo trabalho de levantamento de 14 espécies, dá ao leitor a possibilidade de ficar a saber quase tudo sobre 11 peixes, dois crustáceos e um molusco, desde o perfil nutricional ao habit/comportamento, evolução, medidas ao estatuto de conservação.
Esta abordagem inovadora, que articula ciência e arte, contempla ainda a divulgação da cozinha tradicional da região, cujo receituário tradicional, objeto de criteriosa recolha, é promovido de modo exemplar e particularmente apelativo.
A gastronomia é um fator dinamizador da economia local e regional e promove o fluxo turístico, o que amplia a importância da inclusão de tão saboroso capítulo neste trabalho marcado pelo rigor.
Percebes das Berlengas; raia de molhinho; a famosa caldeirada à moda de Peniche, verdadeiro ex libris gastronómico da região oeste; sequinho de robalo ou lagosta suada são alguns das receitas apresentadas, de modo singular, e acompanhadas de notícia histórica.
Em paralelo, a contemporaneidade está presente em propostas mais ousadas: percebes na concha; carapaça de lagosta recheada; enrolado de raia com frutos da terra; robalo marinado com aromas da Berlenga ou cavala de escabeche, batata-doce, azeitona e cebola roxa são alguns pratos que realçam, com modernidade, a grande qualidade e frescura dos produtos do nosso mar.
Obra inovadora, rica em conteúdo e aliciante aspecto gráfico sedutor, "Do mar ao prato - biologia, ilustração e gastronomia" é da autoria de Sérgio Leandro, Pedro Salgado, Paulo Maranhão, Catarina Barraca, Catarina Correia, Patrícia Borges, docentes e investigadores do Politécnico de Leiria, e António Alexandre, chefexecutivo do Lisboa Marriott.
Foto: António Francisco Fonte: TSF

Portugal é campeão nas mercadorias comercializadas por mar

É o país da União Europeia em que os bens transaccionados internacionalmente por via marítima têm o maior valor e bem acima da média Europeia. A seguir estão Chipre, Grécia e Espanha.


Mar. Neste campeonato ganha Portugal. É o país da União Europeia em que os bens comercializados internacionalmente por via marítima têm o maior valor (81%), bem acima da média europeia de 51%.
Os dados do Eurostat conhecidos agora são relativos a 2015. Nesse ano, o comércio internacional de bens por via marítima, em Portugal, representava então 81% do valor das trocas, o que coloca o país no cimo da tabela.
Portugal81%
Chipre80%
Grécia77%
Espanha74%
Malta67%
Itália61%
Finlândia60%
Os bens que chegam a Portugal por via marítima representam 83% do valor total das importações (na UE são 53%) e os que saem pesam 79% das exportações (48,1% a nível europeu).

Os principais portos europeus

Eis a lista, com base na tonelagem:
Roterdão (Holanda)422 milhões de toneladas de bens 11% do total da UE
Antuérpia (Bélgica)180 milhões5% 
Hamburgo (Alemanha)126 milhões 3%
Amesterdão (Holanda)97 milhões 3%
Algeciras (Espanha)76 milhões 2%
Marselha (França)74 milhões2% 
O transporte marítimo desempenha um papel essencial no comércio internacional de bens da União Europeia. O valor do comércio de bens transportados por mar com países fora da UE foi estimado em cerca de  1,777 mil milhões de euros no ano passado.
Os dados foram divulgados no âmbito do Dia Mundial do Mar, que se assinala na quinta-feira sob o tema “Os transportes marítimos: indispensáveis para o mundo”.
Fonte: TVi24

segunda-feira, 19 de setembro de 2016

“Mar de Sines” considerado “melhor filme etnográfico” no Brasil

Documentário, realizado por Diogo Vilhena, é um projecto municipal dedicado aos pescadores do concelho da Costa Alentejana, onde são reveladas com detalhes as dificuldades locais.



O documentário “Mar de Sines”, dedicado aos pescadores do concelho da Costa Alentejana, um projecto municipal com realização de Diogo Vilhena, venceu o prémio de “Melhor Filme Etnográfico”, no Festival Internacional do Filme Etnográfico do Recife, no Brasil.
O filme retrata com grande sensibilidade, com belas fotografias e rigor técnico as transformações sociais e económicas de uma comunidade portuguesa, a cidade de Sines”, pode ler-se no site oficial do festival, em que foram divulgadas as produções vencedoras, entre as dezasseis seleccionadas de mais de 60 filmes candidatados de vários países.
Em “Mar de Sines” são reveladas “com detalhes as dificuldades dos pescadores locais, através da riqueza dos seus depoimentos”, escrevem ainda os promotores do festival, que decorreu entre terça e sexta-feira, em Recife, no Brasil.
O filme já foi seleccionado em alguns festivais, mas este é o primeiro prémio que recebe”, disse, em declarações à agência Lusa Diogo Vilhena, que se estreou nas longas-metragens com este documentário.
Para o realizador, que ficou “comovido” com a distinção, o galardão representa “um carimbo de qualidade”, ainda com mais significado por ser numa “categoria especializada em etnografia”.
O propósito do filme foi sempre registar o retrato de uma última geração que existe ligada ao mar e que vive o mar de uma forma tradicional, nunca foi um projecto assumidamente etnográfico, no entanto é bom ter esse reconhecimento porque percebe-se que os fundamentos são os mesmos”, destacou.
Com produção e assistência de realização de António Campos e banda sonora original de Charlie Mancini, com a participação de músicos da região, o filme reúne “testemunhos de três gerações de pescadores” que fazem “uma pesca baseada nas artes tradicionais e no respeito pelos recursos”.
“Mar de Sines”, uma longa-metragem de 71 minutos, que resultou de mais de 100 entrevistas e de 250 horas de gravações e envolveu mais de duas mil pessoas nos processos de rodagem e de pós-produção, é um projecto do município de Sines, que representou um investimento de 41,4 mil euros, cofinanciado em 75% pelo Programa Operacional Pesca 2007-2013 (PROMAR).
Foram ainda premiados no Festival do Filme Etnográfico do Recife como “Melhor Documentário” o filme “Baile para Matar Saudades” e, distinguidos com “Menções Honrosas do Júri”, os filmes “Tempo do Dashicô” e “Aquamazônida”, sendo ainda considerado o “Melhor Filme Júri Popular” a curta-metragem “Mulheres (es)pelhos”, todos produções brasileiras.
Em Portugal, “Mar de Sines” vai ser exibido em Évora, a 30 de Setembro, na primeira edição do “Heritales: Heritage International Film Festival”, promovido no âmbito da celebração dos 30 anos da classificação da cidade como Património Cultural da Humanidade pela UNESCO.
Em Outubro, o filme participa no Festival Internacional de Cinema Etnográfico (CINANTROP), que decorre na Ásia e em Portugal, e será ainda exibido no Ekofilm, na República Checa.

Atravessar os Oceanos para compreender o Mar



A Associação David Melgueiro quer realizar uma enorme expedição à volta do mundo.

As sardinhas fugiram, as praias estão a desaparecer, o Atlântico está a mudar. A Associação David Melgueiro, que reúne cientistas marinhos, oceanógrafos e investigadores ligados ao mar, tem veleiros a estudar a costa, mas quer montar uma expedição de volta ao mundo, com passagem pelo Ártico, para perceber as alterações climáticas. Este é o sonho de José Mesquita: entender o nosso pesadelo.
O termómetro assusta: 22,4 graus. A temperatura da água do mar junto ao forte do Bugio, que marca a passagem do Tejo para o Atlântico, está 3,4 graus mais elevada do que é costume nos primeiros dias de Julho. «Há dois dias estava a 24,6», escandaliza-se José Mesquita, comandante do Anixa, um dos quatro veleiros da Associação David Melgueiro. A instituição, baseada em Peniche, reúne oceanógrafos, investigadores, biólogos marinhos e técnicos associados ao estudo do que se passa nas nossas águas. Por estes dias, as embarcações andam a recolher dados para análise, a acompanhar trabalhos de investigação das universidades e a promover experiências de navegação real para alunos das escolas de pilotagem. E o que vão encontrando preocupa-os – o mar está a aquecer. «Para percebermos as consequências disto na costa portuguesa, precisamos de fazer um trabalho sistemático de análise», continua o skipper, antigo comandante da marinha mercante que também é mentor e presidente da associação. «O problema é que os meios estatais estão ocupados com missões de carácter obrigatório, como a análise de stocks de peixe, para poderem negociar com Bruxelas. Mas é preciso fazer mais. E nós querermos fazer mais.»
E COMO VÃO FAZÊ-LO? Bom, na prática querem atravessar quatro oceanos diferentes e estudar o impacte do aquecimento global em todo o sistema marítimo do planeta. «Pode parecer uma missão impossível, mas temos essa responsabilidade. O país tem a terceira maior Zona Económica Exclusiva da União Europeia [depois de França e Reino Unido] e a 11.ª maior do mundo. Não podemos continuar a estar ausentes da discussão sobre o que se passa nos oceanos.» A teoria de Mesquita é que este projecto colocaria os cientistas, primeiro, e os políticos, depois, na linha da frente do debate. E há uma série de entidades a dar-lhe razão: a Direcção-Geral de Política do Mar, o Instituto Português do Mar e da Atmosfera, a Fundação para a Ciência e Tecnologia, o parlamento açoriano e algumas universidades do país (Porto, Aveiro, Politécnico de Leiria e Instituto Superior Técnico, em Lisboa), todos deram apoio institucional à expedição Mar Borealis, nome oficial do projecto.
O desafio agora é cumprir a rota de três navegadores emblemáticos: Vasco da Gama, Zheng He e David Melgueiro. O primeiro terço conhecemos dos livros de História: o caminho marítimo para a Índia, com partida de Lisboa, descida do Atlântico com passagem por Cabo Verde e pelo Brasil, e entrada no Índico pelo Cabo da Boa Esperança, até aportar em Calecute, em 1498. Depois repete-se a expedição de Zheng He, almirante chinês que no início do século xv cartografou toda a costa asiática, da Índia ao Japão, com passagem pelo Sudeste Asiático e pelas Filipinas. E finalmente a rota nunca confirmada de David Melgueiro, navegador portuense ao serviço da Armada holandesa, que se julga que, em 1660, tenha ido do Japão à Europa pelo Ártico, aproveitando o degelo do estreito de Bering, entre a Rússia e o Alasca (EUA). Não existem provas cabais de que tenha sucedido o empreendimento, mas os indícios são fortes. Já voltaremos a esta história.
A expedição Mar Borealis demorará mais de dois anos. São 526 dias em mar aberto e 260 em porto, com paragem em 43 cidades de 22 países. No total, serão 42 mil milhas. Existirá uma tripulação fixa de cinco elementos e 12 vagas rotativas para cientistas. E os objectivos estão definidos: estudar o decréscimo da camada de gelo marinho no verão ártico, perceber a acidificação e aquecimento dos oceanos, bem como o nível médio das águas, entender as mudanças nas correntes oceânicas e a ocorrência de fenómenos extremos em todo o globo. «É que tudo isto tem uma aplicação muito directa na nossa economia», diz Mesquita. E dá um exemplo: «A sardinha está a desaparecer da nossa costa e estão a encontrar-se grandes cardumes ao largo de França, onde antes não existiam. É preciso perceber se isto é uma mudança conjuntural ou estrutural. O que acontece no Ártico afeta-nos muito directamente.»
O primeiro passo é a construção do navio Um veleiro de trinta metros chamado Green Ocean – David Melgueiro. Cinco milhões de euros é o que a associação precisa para pôr o plano em marcha. Feitas as contas, a construção custa 2,5 milhões de euros. Mas o seu uso científico obriga à instalação de robôs, gruas, aparelhos electrónicos de primeira linha, o que significa outro milhão. E há 24 empresas com quem a Associação firmou acordos e estão dispostas a patrocinar materiais de construção e investigação, reduzindo os custos. De isolamentos de cortiça ao casco, das máquinas ao aço que o barco precisa. «Os privados estão prontos, mas precisamos de fundos estatais para arrancar.» O resto são gastos com a viagem – alimentação, combustível, taxas portuárias. «Pode parecer um número elevado, mas estou convencido que, até 2020, estaremos prontos para largar amarras. Porque isto não é só uma aventura. É um desígnio nacional.»
Hoje é dia para ouvir golfinhos e baleias. Sofia Esteves da Silva é aluna do Politécnico de Leiria, estuda Biologia Marinha e anda a investigar a presença de cetáceos nas águas portuguesas. É preciso esclarecer se as águas territoriais são ponto de passagem ou maternidade. Tem feito a maior parte destes trabalhos ao largo das Berlengas, já conseguiu apanhar orcas, golfinhos, e determinar que aquela reserva é maternidade de peixes. Agora é altura de ir para o Tejo, onde os golfinhos estão a regressar. «Para este trabalho, temos de desligar os motores e navegar à vela, e é por isso que estes barcos polivalentes são tão úteis ao nosso trabalho», diz a rapariga. O Anixa cala-se, ela mergulha o hidrofone na água, coloca os auscultadores e começa a gravar. Ninguém respira.
A bordo seguem também a bióloga Cristiana Gastão e o investigador do Centro de Recursos Marinhos e professor de Oceanografia do Instituto Politécnico de Leiria, Roberto Gamboa. Se Sofia precisava de silêncio, eles agora precisam de velocidade para fazer arrasto com filtros de plâncton e determinar a densidade nas águas junto ao Bugio. Marcam num caderno as coordenadas do início e do fim da captação, atiram dois cones de tecido para a água, aos quais estão presas uma espécie de garrafas. «Daqui poderemos determinar as espécies que têm hipóteses de se desenvolver, a quantidade de microplásticos poluentes e, se fizermos trabalho sistemático, as mudanças da cadeia alimentar», explica Cristiana.

A POLIVALÊNCIA DO ANIXA é uma das grandes vantagens do navio, e como este – atracado em Oeiras – a Associação tem mais três. Em Aveiro, Peniche e Algarve. Veleiros ao serviço de estudantes e investigadores, capazes de cumprir o que a frota científica da Armada não tem meios nem tempo para investigar. «Mas está a ver aqueles filmes catástrofe de Hollywood? Começam sempre com uma equipa de cientistas a notar uma alteração fundamental no planeta. É esse trabalho que nós precisamos de fazer agora», diz Roberto Gamboa.
Há dois anos que Portugal tem equipas de cientistas a estudar o Ártico e a Antártida, ao abrigo do Programa ProPolar da Fundação para a Ciência e a Tecnologia. Três desses investigadores integram a Comissão Científica da Associação David Melgueiro. «Aquelas equipas estão presas numa base, não têm a mobilidade nem os meios que a sua investigação merece», diz Mesquita. «E a plataforma científica que vamos construir não se esgota numa expedição, pode continuar a servir o estudo dos oceanos para as zonas polares.» É que, para atravessar aqueles mares, é necessária uma construção larga mas baixa, com casco de aço, equipamentos. A utilidade de um barco não se esgota numa missão.
As quatro embarcações actuais não servem apenas os cientistas, também prestam apoio a escolas de pilotagem. Em Oeiras, por exemplo, há um protocolo com a Escola Superior Náutica Infante D. Henrique, o estabelecimento civil que forma todos os comandantes, maquinistas e pilotos da Marinha Mercante. Numa manhã de Julho, o Anixa fez-se à barra do Tejo com três alunos da Escola e Mesquita entregou-lhes os comandos para a mão. Um seguia ao leme, outro tomava anotações, uma aluna ia lendo aparelhos. «Sabe, o facto de ter estado muitos anos na Marinha Mercante levou-me a construir um veleiro, sim, mas com toda a capacidade de navegação de um grande navio», diz José Mesquita. Foi ele mesmo o construtor da embarcação. Edificou-a no quintal de sua casa em Peniche, ao longo de anos.
O homem tem anos de mar, em todas as vertentes. Em 1972, fez os primeiros serviços como piloto, quatro campanhas de bacalhau. Com o 25 de Abril, mudou-se para a pesca na costa africana: Mauritânia, Namíbia e Angola. Em 1978, foi encarregado de ir buscar à Noruega o velhinho navio científico que está há 35 anos ao serviço do Instituto Português do Mar e da Atmosfera, e que está prestes a ser substituído por uma nova embarcação. Depois foi para a Marinha Mercante, chegou a diretor da lota de Peniche e, em 1988, o comissário europeu Cardoso e Cunha convidou-o para inspetor de pescas. Passou mais de vinte anos em Bruxelas, negociou acordos de pesca, criou legislação técnica, organizou planos de recuperação de espécies. «Não sou um fundamentalista da ecologia, longe disso, mas conheço o mar e sei que temos de perceber o que está a acontecer. Quanto mais tempo demorarmos, mais comprometemos o nosso futuro.»
Em 2008, uma expedição científica francesa pelo Ártico a bordo do navio Tara determinou grandes alterações na densidade de fitoplâncton no Ártico, algo que pode significar uma alteração de todo o ecossistema. Agora, o Green Ocean quer integrar esse estudo em várias disciplinas, seguindo a suposta rota de um dos mais desconhecidos navegadores portugueses, David Melgueiro, o portuense que terá embarcado em meados do século xvii para o Japão ao serviço da Armada holandesa. Em 1660, largou do porto de Tanegashima e dois anos depois chegou ao Porto. Sem passar pelo cabo da Boa Esperança. Isto é o que se sabe.
O NAVIO CHAMAVA-SE Pai Eterno e vinha em missão secreta. O relato existente pertence a um diplomata francês que se estabelecera na Invicta, La Madelène. Reuniu o relato de vários marinheiros e redigiu uma carta para Paris, onde afirmava que, pela primeira vez, um navegador tinha atravessado os mares do Norte. Que havia entrado no Ártico pelo estreito de Bering, que se refugiara no mar de Barents, que tinha avistado o arquipélago de Svalbard, que contornara Escócia e Irlanda para rumar à Holanda, primeiro, e a Leixões, depois. A Holanda nunca confirmou o feito. Nem o próprio Melgueiro. Há a teoria de que o segredo foi guardado para proteger uma nova rota das especiarias. E há quem diga que o Pai Eterno circundou as Tormentas sem ser notado e a travessia do gelo é mito. Estudos climatológicos apontam que aqueles foram anos quentes, de degelo acentuado. E não se sabe mais nada.
Atravessar hoje o Ártico é missão mais fácil, muito por culpa do aquecimento global. As estradas estão abertas, mas são águas pouco profundas, nunca servirão para as grandes embarcações. José Mesquita quer levar lá o Green Ocean, para perceber o que andam a conspirar os oceanos. «É no Ártico que se ouve o lamento do mar», diz. «Não é encostando o ouvido a um búzio.»





Não desafie o mar revolto. A bravura pode ir-lhe ao bolso

Os azares acontecem a qualquer um, mas antes de dar umas braçadas numa praia com bandeira vermelha, pense duas vezes. Esse mergulho pode custar-lhe muito. No máximo, uma multa daria para pagar outras férias.


Entrar no mar com bandeira vermelha içada dá direito a multa, mas será que nos lembramos disso na hora de querer refrescar o corpo de tanto sol que apanhou?

De acordo com dados da Autoridade Marítima Nacional forneceu ao Notícias ao Minuto, até ao momento foram apenas registadas 11 infracções a esta lei em todo o país, sendo a região do Algarve, dada a afluência de banhistas na época balnear, a zona onde mais se desrespeita a sinalização das bandeiras. Se recuarmos aos últimos três anos, podemos verificar que o número de multas a este respeito (que nunca foi muito elevado) tem vindo a diminuir significativamente de ano para ano. Se não vejamos: em 2013, foram passadas 41 autuações, passando esse número para 19 no ano seguinte e, em 2015, para 18.
Esta é uma lei que já tem 10 anos e que “consta no Edital da praia”, elucida-nos a Autoridade Marítima, relembrando que quem ousar entrar no mar, colocando a sua vida e a de outros em perigo, pode vir a ter de pagar entre 55 a 550 euros.
O objectivo de multar quem experimenta um mar revolto é de fácil compreensão: “Visa essencialmente reforçar, ou melhor relevar, a autoridade dos Nadadores-salvadores e da obrigatoriedade de serem acatadas as suas instruções, pois eles são os responsáveis pela segurança balnear e o seu papel é zelar pela segurança das pessoas, pelo que quando as circunstâncias de mar assim o exigem eles devem impedir as pessoas de ir a banhos e/ ou nadar”, explica a mesma entidade.
Como se processam então as multas, sobretudo num ambiente de mar de gente na praia? São os próprios nadadores salvadores que têm de avaliar a situação, cabendo-lhes a tarefa de exigir que os banhistas não desafiem o mar e as suas instruções. 
“Quando os banhistas lhes desobedecem, colocando-se em perigo e muitas vezes obrigando outros a porem a sua vida em risco para os resgatar, deverá ser chamada a Polícia Marítima para identificar e autuar os autores dessas infrações”.
Passados os autos das infrações, estes entram em fase de instrução até que possam resultar efectivamente na aplicação de multas, o que ainda não aconteceu este ano, sublinha a Autoridade Marítima. 
Apesar de lhe parecer ‘fácil’ escapar a este tipo de multas, o melhor será não brincar com o mar. Não pelo facto de as férias, ou um simples mergulho, lhe poder vir a sair do bolso. É que as vidas perdidas no mar valem bem mais do que isso. Só este ano, de maio até 1 de Setembro, morreram 12 banhistas (em praias com e sem vigia).
Sabemos, é certo, que nem toda a gente morre por afogamento ou directamente por não saber nadar, contudo será sempre mais prudente respeitar a sinalização das bandeiras, onde as há, e avaliar a agitação do mar onde não há qualquer vigilância. Em todo o caso, prefira praias vigiadas – aí terá sempre mais um olho a cuidar de si e, quem sabe, disposto a passar-lhe uma multa.  

Governo quer acelerar mineração no fundo do mar dos Açores

Nautilus, a primeira empresa do mundo a extrair minério do fundo do mar, está em negociações com Portugal desde 2008 e quer para iniciar as actividades em 2017. Decisões do Governo só após eleições regionais de 16 de Outubro.


A primeira vez que a Nautilus Minerals entregou um pedido formal de prospecção de minério no mar dos Açores remonta a Junho de 2008. A criação do Parque Marinho dos Açores, em 2011, obrigou a empresa canadiana - prestes a assumir-se como a primeira do mundo a explorar uma mina no fundo do mar em pleno Oceano Pacífico - a reformular a proposta e, desde então, não saiu qualquer decisão definitiva das autoridades regionais ou nacionais. Mas o assunto voltou à mesa do Governo e, esta semana em Washington, a Ministra do Mar, Ana Paula Vitorino, defendeu a exploração de minas em mar profundo e avançou que a intenção da Nautilus é iniciar a essa prospecção e pesquisa nos Açores já em 2017, numa altura em que está prestes a iniciar a exploração comercial de uma mina a 1600 metros de profundidade na Papuásia-Nova Guiné. O Governo está a discutir a regulamentação desta actividade e o “dossier” deverá estar fechado depois das eleições regionais nos Açores, agendadas para 16 de Outubro.

A empresa entregou um pedido de prospecção e pesquisa de sulfuretos maciços polimetálicos em seis pontos do mar dos Açores, convencida que está da potencialidade dos campos hidrotermais da região. A expectativa é que encontre uma elevada concentração de minérios como o cobre, cuja procura mundial tem duplicado a cada dez anos, e que é necessário em muitas indústrias, inclusive aquelas em que assenta a chamada economia verde, como a mobilidade eléctrica.

Na conferência que proferiu perante o Atlantic Council, um think tank sedeado em Washington onde foi falar de parcerias entre Portugal e os Estados Unidos e captar interesse e investimentos na economia do mar portuguesa, Ana Paula Vitorino falou dos planos da Nautilus "em iniciar a exploração no mar dos Açores em 2017", e das vantagens, incluindo ambientais, que decorrem deste novo tipo de extracção mineira. Depois de lembrar que há assimetrias geopolíticas e uma excessiva concentração na China, a ministra do Mar defendeu que devem ser encontradas fontes alternativas. “O desenvolvimento de actividade mineira no Atlântico é menos arriscada em termos geopolíticos, é economicamente mais vantajosa e tem menos impactos nos recursos marinhos”, argumentou.

A compatibilização da exploração dos recursos minerais e a necessária e desejada preservação da biodiversidade ainda está por concluir. A ministra do Mar disse que o assunto está agora a ser discutido, durante a preparação de um plano de acção para a regulamentação das actividades que podem ser feitas no espaço marítimo, um trabalho que está a ser articulado entre a Direcção Geral de Recursos Naturais, Segurança e Serviços Marítimos e o Governo Regional dos Açores. “Estamos a trabalhar nesse zonamento”, admite, acrescentando que não é expectável haver decisões acerca dos pedidos de prospecção antes das eleições regionais, agendadas para 16 de Outubro. “Não acredito que venham a ser tomadas decisões de grande relevância, quando estamos em véspera de eleições. Só depois é que acredito que esse dossier poderá ser fechado”, confirmou Ana Paula Vitorino.

A ministra do Mar refere-se, nomeadamente, a autorizações para avançar com a concessão de exploração mineira, sempre sujeita a trabalhos prévios de prospecção. As empresas mineiras só avançam para a exploração quando há concentração de minério que justifique – e rentabilize - os custos económicos da sua extracção.

Contactada, fonte oficial da Nautilus não mostrou impaciência com a demora de respostas do Governo português e também não quis entrar em detalhe sobre a forma como estão a decorrer as negociações. Estão em causa investimentos avultados – e perspectivas de lucros ainda maiores – pelo que todos os passos são dados de forma cautelosa.


Contestação na Papuásia Nova Guiné

No projecto da Papuásia Nova Guine, chamado Solwara 1, os depósitos minerais apontam para teores de cobre de 8% - a título comparativo a mina de Neves-Corvo tem, em média, teores de 3% deste minério. A Nautilus já recebeu os três “monstros” robotizados que vão fazer a mineração no fundo do mar; e até ao final de 2017 espera receber o “navio” que estará à superfície a comandar os robots e a assumir-se como base operacional para receber o minério com altos teores de cobre e ouro. A exploração deve arrancar no primeiro trimestre de 2018.

A novidade do processo está a gerar algumas apreensões. Na plataforma Avaaz decorre mesmo uma petição que já conta com mais de um milhão de subscritores, e nela se podem encontrar assinaturas de cidadãos de todas as nacionalidades. “Como todos sabemos, a mineração é uma actividade tóxica e devastadora para os ecossistemas terrestres. Imagine o que pode acontecer se as mineradoras começarem a cavar também o leito marinho em busca de minérios, sem nenhuma fiscalização? É a última coisa que nossos oceanos, já devastados, precisam!”, lê-se na petição. O documento será enviado ao Governo da Papuásia Nova Guiné quando atingir os 1,250 milhões de subscritores.

A empresa não reagiu oficialmente ao lançamento desta petição. Mas em resposta a um pedido de esclarecimento enviado anteriormente, a Nautilus Minerals já dizia esperar que a entrada em funcionamento do projecto Solwara 1 servisse para mostrar os benefícios deste tipo de mineração. As vantagens, por enquanto, comparam a extracção mineira no fundo do mar com as intervenções de extracção que decorreram sempre em terra. “Há um mínimo de obstáculos e de resíduos, tanto no mar como em terra; não há produtos químicos nem explosivos, não há impacto directo sobre as comunidades nem infra-estruturas significativas em terra (como barragens de rejeitados)”, enumera John Elias, porta voz da empresa.

“É intenção da Nautilus transformar Solwara 1 num projecto de classe mundial e num modelo de como a indústria de mineração pode alcançar um maior grau de recuperação de metal com menores impactos ambientais, e mudar holisticamente a abordagem global da mineração. [Este projecto] representa um primeiro passo na indústria de mineração do mar profundo e é esperança da Nautilus poder replicá-lo em outras jurisdições, como os Açores, no futuro”, escreve o porta-voz.

A Nautilus considera os Açores como “uma zona estratégica, especialmente se tivermos em conta que Portugal tem direito a uma área muito significativa submarina”. “A mineração em mar profundo pode trazer muitos benefícios económicos a países que podem ser pequenos em dimensão continental, mas são enormes na sua zona económica exclusiva”, termina.

Fonte: Público


sexta-feira, 16 de setembro de 2016

Missão Swim Challenge: Nadar por oceanos mais limpos


5ª edição decorre este fim de semana e traz novidades
Tem pulmões para aceitar este desafio? A 5ª edição do Swim Challenge Cascais decorre já este domingo, junto à praia da Duquesa, com as novidades da prova de 3,8km com e sem fato isotérmico e a sensibilização ambiental e das alterações climáticas, um flagelo que atinge a vida marinha e todo o nosso ecossistema, pondo em risco a vida no Planeta.
O programa abre no sábado com a Caminhada dos Oceanos e com uma mensagem ambiental. O Swim Challenge e a Ocean Recovery Alliance dão as mãos por uma causa; nadar na mais bela baía do mundo contra a poluição e por oceanos mais limpos.
Esta Caminhada parte às 10h00 da Praia da Poça, em S. João do Estoril, e termina na Praia da Duquesa, percorrendo os 3km de Paredão Marítimo, onde será feito o alinhamento para um grande mergulho coletivo.
Os caminhantes são desafiados a desfilar mascarados com o tema “Oceano”, existindo no final um concurso que elegerá como vencedoras as 3 máscaras mais originais.
No domingo são várias as provas em que podem participar, de acordo com a idade, experiência e forma física. Provas Milha oficial com regras da FINA, para nadadores federados; provas abertas 3,8km e 1,9km, para todos, permitindo fato isotérmico e Kids 200m e 400m, incluindo prova extra onde é permitido acompanhamento por parte de um adulto.
As provas decorrem num percurso retangular junto da Praia da Duquesa na baía de Cascais. O percurso é cumprido em duas ou mais voltas.
O Swim Challenge organizado pela 3 IRON Sports, em parceria com a Câmara Municipal de Cascais, Junta de Freguesia Cascais Estoril, Associação de Nadadores dos Estoris e Associação de Natação de Lisboa, tem visto desfilar as grandes estrelas da natação em Portugal, que regressam anualmente como Vasco Gaspar, Mário Bonança, Rafael Gil, e Arseniy Lavrentyev, assim como muitos triatletas de renome como João Silva, Vanessa Pereira, Bruno Pais e Sérgio Marques. Nadadores de todos os cantos do planeta visitam-nos anualmente para participar na maior prova de águas abertas em Portugal.
Cerca de 400 nadadores inscreveram-se pelo site esgotando algumas das provas, no entanto, no sábado é ainda possível participar nas provas, pelo que a organização prevê que o número de atletas aumente.
Espanha lidera as inscrições estrangeiras que representam cerca de 20% do total.
Notas:

Website SwimChallenge: http://www.swim-challenge.com

Navio encontrado no oceano Ártico 168 anos depois

O Terror, barco comandado pelo explorador polar britânico Sir John Franklin, partiu em 1845 para completar a famosa "Passagem do Noroeste". Só agora apareceu. Deu filmes, livros e até canções.


O HMS Terror, barco comandado pelo explorador polar britânico Sir John Franklin, foi encontrado em óptimas condições, 168 anos depois de se ter afundado junto do Árctico, a região circunscrita pelo Oceano Árctico e o Polo Norte, que se situa a norte do continente americano. Franklin embarcou em 1845 e tinha como objectivo completar a “Passagem do Noroeste”, a viagem que passa na margem mais a norte do continente americano, onde se encontram o oceano Atlântico e o oceano Pacífico.
Na expedição seguiam dois navios, o HMS (Her Majesty Ship) Terror e o HMS Erebus, o navio principal da expedição, encontrado no fundo do mar em 2014.
Franklin liderou a expedição que zarpou no dia 19 de maio de 1845 com 24 oficias e 110 marinheiros de Greenhithe. Todos os que embarcaram na pequena cidade costeira morreram, naquele que foi considerado o “pior desastre da história da Marinha Real Britânica na sua história da exploração polar”, como informa o The Guardian.
A compilação de relatos de vários navios e as cartas enviadas pelos marinheiros permitiram aos investigadores perceber a progressão da expedição. Souberam, por exemplo, que no inverno de 1845 os barcos ficaram em Beechey Island, uma ilha de um arquipélago canadiano.
Depois, em Setembro de 1846, o Terror e o Erebus encalharam no gelo na ilha do Rei William, no arquipélago canadiano árctico. Uma carta deixada na ilha por dois dos oficiais informava que o capitão Franklin tinha morrido a 11 de Junho de 1847. A tripulação decidiu então que ia abandonar a ilha e andar em direcção ao Canadá. Dos que haviam embarcado já mais de vinte tinha morrido. Durante a travessia para o Canadá mais perderam a vida e já em terras canadianas morreriam os últimos tripulantes, a centenas de quilómetros da civilização.
Gravura do HMS Erebus e do HMS Terror. (Illustrated London News/Getty Images)
As procuras pela embarcação e tripulação duraram cerca de onze anos, mas não foram encontradas pistas sobre o paradeiro de nenhum dos navios ou marinheiros e o mistério do paradeiro do HMS Terror manteve-se durante várias décadas. Até que no passado domingo (11 de setembro) uma equipa da Artic Research Foundation navegava num veículo subaquático e encontrou o barco. O veículo terá entrado por uma escotilha e, segundo Adrian Schimnowski, o Director da fundação, terá navegado pelo corredor, captado imagens das cabines e da zona de armazenamento de comida “ainda com pratos nas prateleiras”.
O barco encontrava-se a 96 quilómetros do local onde os especialista supunham que estivesse afundado. Um tubo que existia no motor rudimentar do navio deixa poucas dúvidas de que este seja o Terror, informou Schimnowski ao The Guardian. “O navio parece ter sido tapado para suportar o inverno e depois afundou. Estava tudo fechado. Até as janelas estão intactas. Se se conseguir levantar esse barco da água e retirar a água de lá de dentro, muito provavelmente flutua”, acrescenta o Director da Arctic Research Foundation.

Sir John Franklin e a sua tripulação em retratos de 1845. (Hulton Archive/Getty Images)

A descoberta do Erebus

Já o HMS Erebus foi descoberto a 7 de Setembro de 2014, mais a sul do que o Terror. A descoberta do Erebus foi muito influenciada por uma lenda que circulava na tradição oral inuíte. Segundo a lenda, um grande navio de madeira tinha encalhado no golo da Rainha Maud. Quando os investigadores procuraram na área indicada encontraram de facto o barco, no fundo do mar.
A lenda inuíte contava ainda que um dos membros da ilha tinha encontrado, a bordo, um homem morto com um grande sorriso na cara, um detalhe que os especialistas consideram como indicativo de escorbuto a bordo.
Até hoje já foram recuperados canhões, pratos de cerâmica e outros objectos.
Terá sido também o relato de um membro de uma tribo inuíte que terá ajudado a encontrar o HMS Terror. Sammy Kogvik contou a Schimnowski que numa viagem de pesca com um amigo, em 2010, encontrou um pedaço de madeira que parecia um mastro. Schimnowski decidiu então procurar um barco perdido naquela área, o que acabou por resultar na descoberta histórica.

Influência da expedição falhada

Nos 171 anos que já passaram desde que zarpou a expedição, já foram feitas várias evocações artísticas sobre o sucedido.
Sir John Franklin tem uma estátua em sua honra na cidade natal onde se pode ler “Sir John Franklin – Descobridor da Passagem do Noroeste”, existindo também estátuas do capitão em Londres e na Tasmânia.
A expedição foi também tema de vários trabalhos literários. Ken McGoogan escreveu dois romances sobre o tema: Fatal Passage Lady Franklin’s Revenge. Uma peça de Wilkie Collins escrita com a assistência de Charles Dickens chamada The Frozen Deep decorre também à volta da expedição fatal.
Júlio Verne escreve sobre o Terror e o Erebus em pelo menos dois livros: uma das vezes através do Capitão Nemo no livro Vinte Mil Léguas Submarinas e em Journeys and Adventures of Captain Hatteras. Mark Twain escreveu uma sátira ao destino da expedição no seu conto Some Learned Fables for Good Old Boys and Girls. Joseph Conrad menciona também as duas embarcações na novela Coração das Trevas, o livro que influenciou o filme Apocalypse Now.
Vários documentários tiveram também como tema a viagem de Franklin pela passagem que liga o Atlântico e o Pacífico.
Muitas canções foram também escritas sobre a tragédia, sendo Lamento de Lady Franklin uma das mais famosas.
Fonte: Observador