sexta-feira, 29 de julho de 2016

Cientistas avaliam estado de saúde dos oceanos



A cerca de 12 quilómetros ao largo da costa da Bermuda os cientistas estão a analisar o estado de saúde dos oceanos.
A bordo do submarino Triton, a 60 metros de profundidade, os cientistas exploram os recifes de coral.
A Missão Nekton, assim designada em memória à primeira missão para explorar as profundezas do oceano em 1960, pretende levar a cabo o diagnóstico mais abrangente jamais realizado sobre a saúde dos oceanos.
Os cientistas estudam aspetos como a composição química da água e a biodiversidade. Os mergulhadores registam tudo com câmaras de alta definição enquanto são recolhidas amostras que mais tarde serão analisadas em laboratório.
O diretor da missão Oliver Steeds afirma que “é sabido que as profundezas do oceano estão em rápida mutação. O que não compreendemos de momento é o seu estado de saúde e resiliência”.
Steed adianta que “precisamos de mais missões como esta. Gastam-se milhares de milhão para ir ao espaço e muito pouco dinheiro para explorar as profundezas do oceano, isto apesar de se tratar de algo crítico para a humanidade”.
O professor Alex Rogers já levou o submarino até aos 150 metros de profundidade.
Ele afirma que os corais aparentam estar saudáveis, as espécies de tamanho mais pequeno são abundantes mas verifica-se uma quase ausência de espécies de maiores dimensões. O problema, afirma, é a pesca industrial.
“A sobreexploração dos eco-sistemas marinhos leva décadas a recuperar. E isso acontece nas águas menos profundas. Por isso podemos imaginar o que acontece quando se arrastam redes sobre os corais situados em águas profundas. Leva centenas de anos a recuperar na melhor das hipóteses”, adianta Alex Rogers, biólogo da Universidade de Oxford.
A missão Nekton vai prosseguir até meados de agosto. Estão previstas missões ao Atlântico Norte e às águas costeiras do Canadá.

O malfadado Fortuna está de regresso ao mar


O destino do Fortuna foi finalmente decidido. Após três anos ancorado, aquele que foi o iate da família real espanhola vai voltar a cruzar os mares. A companhia de navegação Baleària, que o adquiriu em julho de 2014, optou por alugar a embarcação. Um luxo que não está ao alcance de todos, ou não fossem precisos 25 mil euros - sim, 25 mil - apenas para encher o seu depósito de combustível de 45 mil litros.
A história do Fortuna, um dos iates mais rápidos do mundo - consegue atingir velocidades de 65 nós (aproximadamente 125 quilómetros por hora) graças aos seus dois motores Rolls-Royce -, é daquelas que começa como um conto de fadas e que rapidamente se transforma num pesadelo. Oferecido no ano 2000 ao então rei Juan Carlos por duas dezenas de empresários e pelo governo das ilhas Baleares, foi avaliado em 19 milhões de euros e chegou a transportar a realeza espanhola enquanto esta acenava ao povo e apanhava banhos de sol no convés ao largo de Palma de Maiorca.
Há três anos, quando Juan Carlos renunciou ao iate como parte de um plano de relações públicas que visou a melhoria da imagem dos residentes do Palácio da Zarzuela, tudo mudou. Regressou às mãos dos empresários que o mandaram construir e acabou por ser posto à venda. Mas o Fortuna, todo ele construído de alumínio e com cinco camarotes duplos, mais aqueles que estão destinados à tripulação, deixou de valer uma fortuna: o seu preço de mercado caiu para metade e nem assim houve quem quisesse pagar os cerca de dez milhões de euros que eram pedidos para a sua aquisição.
Até julho de 2014, quando a Baleària abriu os cordões à bolsa e o comprou por 2,2 milhões - um valor irrisório, tendo em conta o preço inicial. Escreveu a imprensa espanhola na época que a ideia passava por mandar retirar os motores do ex-iate real e utilizá-los nos ferry que fazem a travessia, a cargo da mesma empresa, entre as ilhas Baleares e a Península Ibérica. Contudo, como os custos eram demasiado elevados, a Baleària optou por desmantelar a embarcação para a vender às peças. Uma ideia que posteriormente também abandonou.
Agora, o velhinho Fortuna, de 35,4 toneladas de peso e entretanto batizado de Foners, pode fazer parte do mercado charter. O jornal El Mundo avança que a companhia de navegação já deu início aos trâmites que vão permitir o seu aluguer.
Resta dizer que Don Juan Carlos de Borbón não foi homem de um Fortuna só. A história deste começou em 1997, quando foi encomendado aos estaleiros navais de Izar, em San Fernando (Cádis). A ideia foi substituir o anterior Fortuna, que lhe tinha sido oferecido em 1979 pelo rei saudita Fahd. E antes deste, ainda enquanto príncipe, o rei emérito de Espanha teve um outro - o seu primeiro: aquele com que participou nos Jogos Olímpicos de Munique em 1972 e que hoje está no Museu Olímpico de Barcelona. Actualmente, Juan Carlos é um homem sem Fortuna.

Fonte: DN

O maior buraco azul do mundo fica no Mar da China

Um submarino afundou-se à maior profundidade alguma vez registada e o efeito é uma grande mancha azul em alto mar.


No meio do grande azul, há um buraco enorme de um azul ainda mais profundo. Um submarino afundou-se em pleno Mar da China, junto às Ilhas Paracel, e o fenómeno provocou o maior "buraco azul" alguma vez encontrado no mundo.
Os habitantes locais chamam-lhe "o olho", de acordo com o Business Insider. O buraco fica numa das áreas mais militarizadas do planeta, situada entre a China, Vietname, Malásia, Indonésia, Filipinas, Brunei e Taiwan.
Os restos do submarino estão agora a 300 metros de profundidade, pelo que este é o afundamento mais profundo alguma vez registado.
Os investigadores da Ocean University of China que detectaram o buraco conseguiram medir a profundidade através de uma série de calibragens baseadas no nível das águas, na quantidade de sal, na temperatura e na densidade da água.
Os buracos azuis são formados quando, numa zona de rochas calcárias, um buraco provocado por um afundamento se enche de água. Ao longo dos tempos, a rocha dissolve-se no subsolo e forma cavernas ou cavidades, diz o Live Science, e o processo de dissolução faz com que a caverna fique muito perto da superfície da Terra. Se as paredes da caverna colapsarem, gera-se um buraco azul.
Os cientistas chineses vão avançar com estudos sobre a vida marinha dentro do "buraco azul". Uma vez que a partir de um certo nível a água deixa de ter oxigénio, dada a profundidade do buraco, poucos serão os seres vivos que conseguirão ser encontrados nas profundezas do grande azul.
Fonte: TSF


quarta-feira, 27 de julho de 2016

adeus aos gigantes dos mares


A zona de Belém, entre o Padrão dos Descobrimentos e a Torre, foi das mais concorridas para acompanhar o desfile náutico dos 51 navios presentes na edição deste ano da Tall Ships Races. Durante os últimos quatro dias, estas embarcações abriram as suas portas ao público e mostraram como é a vida a bordo de um grande veleiro.
Na comemoração dos 60 anos da Tall Ships Races, que se realizou pela primeira vez entre Torbay, no Reino Unido, e Lisboa, o evento voltou a registar a presença de milhares de pessoas ao longo destes dias, contribuindo para aproximar os portugueses do mar.
A The Tall Ships Races ruma agora a Cádiz, no sul de Espanha, onde permanecerá também durante quatro dias, para a segunda etapa da regata, que termina a 14 de Agosto, na Corunha.

Aumento da quota de pesca da sardinha aceite


A Comissão Europeia comunicou ao Governo que aceitou a sua pretensão de aumento da quota de pesca de sardinha para 17 mil toneladas, disse a ministra do Mar, Ana Paula Vitorino, à Agência Lusa.
Temos excelentes notícias. A Comissão comunicou-nos que compreendia, aceitava e acolhia os nossos argumentos para o aumento da quota para este ano”, disse a governante.
Ana Paula Vitorino recordou que o ano tinha começado de “uma forma muito negativa”, aludindo à recomendação do Conselho Internacional para a Exploração do Mar (ICES, na sigla em Inglês) para limitar as capturas desta espécie a 1.584 toneladas.
Na altura, acrescentou, conseguiu-se fixar um valor substancialmente mais elevado (14 mil toneladas), agora aumentado para 17 mil, a repartir por Portugal e Espanha, numa proporção de dois terços para portugueses e um terço para espanhóis.
A consagração da quantidade pretendida, dada a acentuada disparidade em relação à recomendação do ICES, foi atribuída aos argumentos científicos e à análise dos impactos socioeconómicos avançados.
A disparidade dos números foi justificada por Ana Paula Vitorino com a alteração dos dados científicos fornecidos por Portugal.
Esta alteração “resultou de um reforço efectivo da capacidade de investigação do IPMA” (Instituto Português do Mar e da Atmosfera).
As toneladas avançadas pelo ICES resultaram de uma análise feita “sem que Portugal fornecesse informação científica sobre o estado do ‘stock’ da sardinha”.
A ministra recordou que “este governo tomou a decisão de reforçar as verbas de investigação e fazer um cruzeiro científico em Dezembro, que foi repetido na primavera”, o que permitiu “recolher informação mais actualizada”, enviada para o ICES que a incluiu na sua informação.
Ao mesmo tempo, foi estabelecido “um plano de gestão relativamente ao ‘stock’, que fez com que este começasse a recuperar”.
Desta forma, continuou, “através de um acompanhamento mais efectivo, mais eficaz, de toda esta matéria, do ponto de vista científico e do das pescarias, conseguiu-se demonstrar que houve um aumento de 20% na biomassa e com isso justificar já este ano que uma recuperação em relação ao cenário pessimista do início do ano”.
Ana Paula Vitorino revelou também que “na próxima semana”, vai reunir “com a comissão de acompanhamento do sector, com todas as organizações, e fixar um plano de gestão para que as capturas possam ser mais elevadas, mas que simultaneamente possa haver pescaria até final de Outubro”.
Este aumento do prazo visa permitir também satisfazer a indústria conserveira: “É importante não só para nós todos, a nossa gastronomia, mas também este prolongar no tempo até Outubro (vai) prolongar significativamente no tempo os fornecimentos à indústria conserveira, que depende em muito desta espécie”, concluiu.
A ministra insistiu ainda na necessidade de conjugar o aumento as pescarias com a sustentabilidade da evolução da espécie.
O plano de sustentabilidade para as capturas de sardinha na Península Ibérica tinha sido apresentado à Comissão Europeia.
Na ocasião, a ministra realçara a preocupação com a sustentabilidade da espécie: “Procuramos, de facto, que haja um crescimento sustentável da biomassa da sardinha: fixámos um mínimo de 4% de perspectiva de crescimento da biomassa e, fixando 17 mil toneladas, permitir-nos-á ter esse aumento de 4% e termos uma rota sem grandes flutuações, que são muito prejudiciais em termos sociais e económicos”, disse.
O previsível aumento das capturas possíveis far-se-á sentir “já”, acrescentara, observando que o plano de gestão para este ano fixava um total possível de capturas, entre Portugal e Espanha, de 10 mil toneladas até final de Julho, que ainda não foi atingido (Portugal capturou menos de 7 mil toneladas, e Espanha “2 mil e tal”).
Se se confirmar este acréscimo, o que quer dizer é que podemos prolongar a pescaria até mais tarde, até Outubro, até Novembro, até esgotarmos esse novo limite”, dissera na altura.

Golfinhos morrem nas redes de pesca



Dezassete golfinhos morreram, esta sexta-feira, cerca das 16 horas, depois de terem sido apanhados acidentalmente nas redes de pescadores de arte xávega, na praia de Mira.
Os pescadores da embarcação Alexandre Vieira aperceberam-se da situação no mar e tentaram libertar o grupo. "Eram cerca de 200, nunca tinha visto tantos na minha vida. Paramos várias vezes e tentamos que saíssem dos sacos das redes, mas não saíam", contou o proprietário da embarcação, José Vieira. Assim que chegaram perto de terra, cortaram as redes com a ajuda de banhistas. Para além da tristeza da morte dos golfinhos e de perder o pescado do lanço, José Vieira ficou com um prejuízo nas redes de 8 mil euros.
Luciano Santos Oliveira, comandante da Polícia Marítima de Aveiro, disse que foram "contabilizados 17 golfinhos comuns mortos" no areal. Os corpos dos animais foram recolhidos por biólogos e técnicos do Centro de Reabilitação de Animais Marinhos de Quiaios (CRAM-Q), que agora irão proceder às necrópsias (autópsia feita a animais), fazer análises e guardar amostras para investigação.
Os golfinhos mortos pertenciam a "um grupo heterogéneo, com adultos e juvenis, que se aproximou muito da costa. Estavam atrás de alimento ou de passagem", explicou Marisa Ferreira, bióloga do CRAM-Q, confirmando que estes cetáceos podem formar grupos de 200 elementos.
A captura acidental não é rara, mas tem diminuído devido à colocação de sensores nas redes, que emitem sinais sonoros de baixa intensidade para afastar os golfinhos. Raul Almeida, presidente da Câmara de Mira, diz que "foi confirmado que os sensores estavam a funcionar", mas não foi o suficiente para impedir a tragédia.

Fonte: JN 

Gestores de topo da Web Summit vão surfar à Ericeira



A Ericeira vai receber o Surf Summit deste ano, de 5 a 6 de novembro. O evento que se realiza em antecipação ao Web Summit, vai reunir executivos mundiais em tecnologia nesta vila onde vão poder participar em actividades de aventura, networking e palestras ao longo de quatro quilómetros da costa portuguesa nos arredores desta vila do concelho de Mafra.
Em comunicado da organização, Paddy Cosgrave, CEO do Web Summit, refere que o Surf Summit deste ano será uma experiência incrível para todos os participantes, ao juntar o melhor da tecnologia e do desporto de aventura em dois dias de networking num local de nível mundial. É a preparação ideal para o próprio Web Summit”.
Nestes dois dias, os participantes terão oportunidade de surfar com alguns dos mais conhecidos surfistas do mundo. Outras actividades incluem mountain biking nas arribas do Lizandro, yoga na praia de Ribeira D’IIhas e standup paddle.
À noite, os participantes poderão jantar e assistir a palestras numa estrutura construída para o efeito, com vista para o Oceano Atlântico e uma after party na discoteca mais antiga de Portugal, o Ouriço.

Fonte: Expresso

Picada de medusa faz três mortes


Três pessoas morreram depois de serem picadas por medusas na costa de East Sussex, Inglaterra. Os animais foram empurrados para a costa pelas correntes quentes e acabaram por ferir mais três banhistas, segundo o The Sun. Há registo de um desaparecido e as equipas de resgate estão no local. As autoridades acreditam que as vítimas sofreram paragens cardíacas quando foram atacadas pelas medusas na água.

quinta-feira, 21 de julho de 2016

Canal do Panamá ultrapassa Suez

O renovado Canal do Panamá, inaugurado no final de Junho, já ultrapassou o Canal do Suez no volume de contentores transportados na rota Extremo Oriente-Costa Leste dos Estados Unidos, de acordo com a Alphaliner.


A consultora indica que a quota do Canal do Panamá naquela rota era de 48% no início do ano e que, após as novas eclusas entrarem em funcionamento, ascende a 57%.
E a tendência de crescimento da quota de mercado do “novo” canal será para continuar, prevê a consultora, já que mais companhias deverão trocar o Suez pelo Panamá. Além disso, sublinha, nem todas as companhias alinharam já nos seus serviços que passam pelo Canal do Panamá navios neo-Panamax.
Ao longo dos últimos anos, várias companhias optaram pelo Suez em detrimento do Panamá, pois no canal egípcio podiam navegar com navios entre 5 500 e 10 000 TEU enquanto no centro-americano se ficavam, até ao mês passado, pelos 4 000 a 5 000 TEU dos navios Panamax (os neo-Panamax rondam os 10 000 TEU). Era, de resto, a enorme diferença de capacidade que justificava a opção pelo Suez na rota Extremo Oriente-Costa Leste, já que a distância percorrida é bastante maior.
Fonte: T e N

Estes skates ajudam a proteger os oceanos


Skates são extremamente convenientes: eles ocupam pouco espaço, são facilmente (e barato) mantidos, e eles são um óptimo método de transporte. A Bureo skates traz todas as expectativas do skate, mas também ajuda a salvar os oceanos. A empresa lançou uma nova linha de skates dedicada a salvar a vida marinha, transformaram redes de pesca recicladas em skates.
As redes de pesca dispensadas ou abandonadas no mar oferecem um grande risco aos animais marinhos de todos os tipos. Ao prender-se ao animal, elas podem cansa-lo até a morte, quando não o matam de fome, por não conseguir caçar e alimentar-se.
Um estudo conjunto realizado pela Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) e do Programa Ambiental da ONU (UNEP) indica que equipamentos de pesca descartados respondem a 10 por cento de todos os resíduos marinhos. Isso é um total de 640 000 toneladas de lixo por ano. Algumas das redes perdidas no mar podem chegar a até 10.000 metros de comprimento, muito o suficiente para prender e matar milhares de animais marinhos.
Fonte: Ideagrid

Barreira de cem metros para limpar oceanos

O projecto Ocean Cleanup descreve uma barreira de borracha que flutua e que ajuda a limpar os oceanos. O protótipo mede cem metros, mas o plano final inclui uma barreira de quase cem quilómetros.



O Protótipo vai ser colocado no Mar do Norte e, se tiver sucesso nas condições adversas, o Ocean Cleanup poderá chegar a outros locais, como o Pacífico, para ajudar a reduzir o lixo que aí se encontra. Os mentores do projeto pretendem reduzir aí o lixo para metade, ao longo dos próximos dez anos, ou seja, recolher cerca de 60 milhões de quilos, noticia o Engadget.
Jeffrey Drazen, da Universidade do Hawai, alerta que esta barreira flutuante, de dois metros de altura, pode ter um impacto ainda desconhecido na vida animal e pode até funcionar como um bloqueio à expansão dos animais.
Allard van Hoeken, da organização não governamental holandesa que lançou este projecto, explica que «fizemos anos e anos de modelação por computador e simulações com sucesso. Agora, estamos prontos a testar a nossa tecnologia em condições reais».




Serão os oceanos a economia do futuro?


Serão os Oceanos a economia do futuro? Num momento em que tanto se ouve falar do mar e dos Oceanos, no fim de contas, no que é que isto se traduz? Qual é o impacto presente e futuro? Que vantagens económicas poderão advir? O que é que está ser feito? Enfim, as questões são muitas, mas nada melhor que começar pelos factos: mais de 2/3 das fronteiras da União Europeia (UE) são costas e espaços marítimos; 23 dos (ainda) 28 Estados membros da UE têm zonas costeiras, representando mais de 70% das fronteiras externas da União. O reflexo em termos económicos é enorme, sendo que cerca de 40% do PIB da UE é gerado nas regiões costeiras e 75% do volume do comércio externo da UE é efectuado via marítima. É inquestionável: Os mares e Oceanos têm assim o potencial de se tornarem num dos principais factores de desenvolvimento económico de países costeiros como Portugal. Através dos seus recursos biológicos, geológicos, minerais, biotecnológicos e dos recursos energéticos renováveis, estes países podem posicionar-se em sectores e nichos de actividade que, directa ou indirectamente, se relacionam com o mar e com o Oceano e há uma janela de oportunidade que, se aproveitada, terá reflexos significativos para os diversos sectores económicos.

O Oceano é, claramente, a nova fronteira da economia e um factor essencial na diferenciação do nível de desenvolvimento dos países. Mas a concretização de todo o potencial proporcionado pelo Oceano exige abordagens pragmáticas, responsáveis e sustentáveis relativamente ao seu conhecimento, desenvolvimento económico e à preservação ambiental. No que se refere a Portugal, há já algum trabalho feito, mas é preciso acelerarmos o ritmo. Temos capital humano com bons conhecimentos técnicos e formação, temos a ciência ávida por oportunidades, temos a indústria a necessitar de desafios, temos incentivos financeiros disponíveis para fomentar a “Economia Azul”, e dispomos do activo Oceano. Portugal tem uma Zona Económica Exclusiva (ZEE) com uma importante localização estratégica em razão da proximidade com África e com a América e temos que criar condições que nos capacitem para a gestão e exploração desta nossa condição relevante. Uma actividade marítima próspera para Portugal e para a Europa passa pelo aproveitamento do potencial existente ao nível da biodiversidade oceânica, dos centros de investigação e desenvolvimento tecnológico, dos transportes marítimos e portos, dos recursos pesqueiros, do turismo, da reparação naval, entre outros novos usos que o mar tem e que promete ter no futuro.

Por parte do Estado, o reforço da iniciativa política a nível internacional para projectar uma liderança de Portugal neste capítulo é indispensável. As mais recentes políticas europeias revelam já o enorme esforço feito na valorização dos mares, em que é prioritário o aproveitamento do potencial dos oceanos, dos mares e das zonas costeiras da Europa, para a criação de emprego, valor e sustentabilidade. Iniciativas de fomento do conhecimento do meio marítimo, facilitando o acesso dos profissionais aos dados do meio marinho, mas também aos cidadãos em geral para que possam participar nas decisões sobre as zonas costeiras e os mares são indispensáveis. A vida de milhões de pessoas está directamente dependente dos oceanos e mares, enquanto fonte de alimentos e de energia, via de comércio e de comunicação e elemento de atracção recreativa e paisagística para o turismo das regiões costeiras e o seu contributo para a prosperidade económica das gerações presentes e vindouras não pode, nem deve ser subestimado.

Advogada e sócia da PBBR – Sociedade de Advogados, RL no Expresso

Até quando vamos ter peixe?

Há um apetite voraz por peixe. O seu consumo duplicou, a nível mundial, nos últimos 60 anos, e a tendência é continuar a crescer. Não é para menos: é riquíssimo em nutrientes essenciais. Mas a poluição, as alterações climáticas e a sobrepesca põem em risco a sobrevivência de algumas espécies. E quem está disposto a abdicar do bacalhau e da sardinha?


Célia Rodrigues tem as mãos todas estragadas. Arranhões, cicatrizes, manchas vermelhas. São o seu instrumento e usa-as nuas, sem proteção, para puxar os sacos de ostras, arrancar algas, eliminar um caranguejo intrometido. Filha mais velha de um armador de Peniche, começou a andar embarcada quando ainda mal sabia nadar. Apanhou sustos de morte, esteve dias inteiros a vomitar, fez juras de não voltar. Mas não conseguiu fugir ao destino. “A minha mãe nunca quis que eu estivesse ligada a esta vida, mas ...” conta, enquanto nos mostra a sua produção de ostras, em Setúbal. Primeiro quis ser “varredora de mares”, depois bióloga marinha. Acabou na produção animal e passou muitos anos em aquacultura. “Eu é que fazia tudo, mas trabalhava para outros.” Há quatro anos, decidiu montar a sua própria empresa, a Neptune Pearl, dedicada à criação de ostras, camarão e erva salicórnia, que vai muito bem a acompanhar.
A produção acontece em salinas abandonadas, no estuário do rio Sado. Ao todo, há 500 mil ostras a crescer, e os 200 quilos que apanha por semana quase não chegam para as encomendas. Vende para França e para a Galiza, onde fica o mercado de Vigo, líder europeu em descargas de peixe fresco, e ainda para alguns chefs nacionais. A sua ostra tem fama, porque apresenta uma boa proporção entre a quantidade de 'carne' e a de água e casca. Célia consegue uma taxa de 25% no chamado “índice de condição”. Sendo que a partir de 15% as ostras já são “consideradas especiais”, sublinha. Há o clima da Península de Setúbal, as águas favoráveis do estuário e, claro, os 'mimos de mãe' com que a produtora revira e agita os sacos ou as gaiolas com ostras mergulhadas na água, retira as algas, verifica se alguma está estragada e elimina os caranguejos invasores. Neptuno, o rafeiro alentejano que às duas da tarde se esconde do sol na casa de apoio, ajuda a afastar os ladrões.
A situação ainda não é a ideal. A produtora sonha com uma aquacultura integrada, em que no mesmo espaço se consiga produzir toda a cadeia alimentar. Com ostras, macroalgas, peixes herbívoros e peixes carnívoros. Mais fácil de dizer do que de fazer. “Demora 30 anos até percebermos como funciona uma espécie num sistema de aquacultura”, nota. Mas o caminho terá de ser esse – porque, para alimentarmos o nosso apetite, não há outro.

O ALIMENTO DA MODA

O consumo de peixe tem vindo a subir constantemente. No último relatório da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), revelado na semana passada, aponta-se para um consumo anual per capita a ultrapassar os 20 quilos – o dobro do valor nos anos 60 do século passado. Ou seja, o crescimento na procura de peixe ultrapassa muito o aumento demográfico. O primeiro tem vindo a crescer a uma taxa de 3,2% ao ano, desde 1961, enquanto a população segue a um ritmo de 1,6% ao ano.
Vários fenómenos concorrem para isto. O peixe é um animal rico em vitamina A, D e B, minerais, proteínas e, no caso dos peixes de profundidade como o salmão e o atum, uma excelente fonte de ácidos gordos essenciais, como o ómega 3, que o nosso organismo não consegue sintetizar. É, por isso, obrigatório numa dieta equilibrada. Com o crescimento da classe média no continente asiático, há cada vez mais gente a procurar esta proteína de qualidade, que já representa 17% da consumida a nível mundial. A ajudar, há a má fama que vem agarrada à carne vermelha e aos enchidos, que tem desviado os consumidores. Mas como é que vamos conseguir dar de comer aos dez mil milhões de pessoas que deverão habitar na Terra em 2050?
Um estudo feito ao longo de 15 anos sobre a evolução das pescas a nível mundial, entre 1950 e 2010, revela dados “alarmantes”, classifica um grupo de cientistas num artigo publicado na revista Nature, no mês passado. No documento The Sea Around Us (“o mar à nossa volta”) diz-se que a captura de peixe tem vindo a decrescer à razão de 1,22 milhões de toneladas por ano, desde 1996 – o ano recorde no que toca às pescas. Esta avaliação é bastante mais drástica do que a feita pela FAO, que para o mesmo período aponta uma diminuição de 0,38 milhões de toneladas ao ano. Só a aquacultura tem permitido sustentar os níveis de consumo.
Quanto aos culpados, nisto estão todos de acordo: a degradação do habitat marinho devido a práticas de pesca destrutivas, a poluição industrial, alterações climáticas e urbanização das zonas costeiras. Como de costume, uns vão sofrer mais que outros. Os países mais em risco estão nas latitudes mais baixas, onde a alimentação depende muito da pesca selvagem. Curiosamente, os problemas com as reservas de peixe começaram nas regiões de latitudes mais altas, no Atlântico Noroeste, com a industrialização das pescas. A preocupação com a gestão de recursos e a introdução da aquacultura vieram permitir alguma recuperação. “Só assim temos conseguido manter o aumento da produção”, sublinha o biólogo marinho David Abecasis, do Grupo de Investigação Pesqueira da Universidade do Algarve.
Quando o assunto é peixe, os portugueses põem-se em sentido. Estamos no topo da lista de consumidores, a nível mundial (aparecemos em terceiro, quarto ou quinto lugar, consoante o organismo que faz a avaliação e a metodologia usada), mas estamos quase totalmente dependentes. “Se contássemos só com a produção própria – pescas e aquacultura –, ficaríamos todos os anos sem peixe por volta do dia 30 de março”, diz David Abecasis.

DOIS ANOS PARA 'FAZER' UMA DOURADA

O pequeno trator aproxima-se do tanque de uma antiga salina e vai largando uma nuvem de poeira. Milhares de bocas vêm à superfície. Os peixes reconhecem o barulho e estão habituados à rotina. Todos os dias, de manhã e ao final do dia, são alimentados com ração. A máquina anda à volta do tanque, obrigando douradas e robalos a ir à caça da comida. Por cima dos reservatórios, uma rede protege-os do ataque de corvos marinhos – chegam a devorar 30% da produção. Ou até a dizimar todos os peixes, quando os que escapam ao ataque entram em stresse, fogem e acabam por morrer de asfixia.
Como o Sol já vai alto, só aparecem douradas, um bicho que está sempre pronto a comer. É omnívoro e tudo lhe serve. Já o robalo, carnívoro, prefere a noite para se alimentar. Edo Alexandre, dono e gestor da exploração, obriga os peixes a andar de um lado para o outro para “ganharem músculo”. Gasta mais dinheiro em gasolina, mas a sua aposta é na qualidade. E quem lhe compra valoriza. Vende a dourada a sete euros o quilo e o robalo a mais meio euro (o preço é definido em função do valor da dourada). Mantém um regime semi-intensivo, o mais comum em Portugal, onde os animais são alimentados a ração, mas também beneficiam dos bivalves e outros animais pequenos misturados na água do Sado que enche os 27 tanques. Ao todo, vivem ali 320 mil peixes. Chegam com 10 gramas, vindos das maternidades, e saem com 400 – o chamado 'tamanho dose' – ao fim de um ano e meio, dois anos. Às vezes, deixa-os ficar até ao quilo e meio, e aí são quatro anos de estadia. “As pessoas costumam pensar que isto aqui é como nos aviários. Que se faz um frango em meia dúzia de meses”, desabafa o presidente da Associação Portuguesa de Aquacultura, Fernando Gonçalves. Outra ideia feita que se esforça por destruir é a de que vai tudo corrido a antibióticos. “Agora o que se faz é prevenção. Reduzem-se as densidades, o stresse a que os animais estão sujeitos, e vacinam-se. Quando aqui chegam estão protegidos contra as doenças da infância”, conta Edo Alexandre. Mesmo assim, admite, “ainda vai demorar muito até os consumidores deixarem de associar os antibióticos à aquacultura”.
Em Portugal, só há duas explorações a funcionar em regime intensivo: uma em Sines e outra na Madeira. Neste tipo de explorações, em jaulas, há uma grande concentração de peixes, e em alguns casos aumenta-se a temperatura da água para acelerar o crescimento (abaixo dos 12ºC, douradas e robalos deixam de comer e perdem peso). Na Europa, o campeão da produção intensiva é a Grécia. Vem daqui boa parte do que se encontra à venda nos hipermercados. O outro grande fornecedor é a Turquia. Mas a aquacultura não pode ser a única solução, até porque as rações são feitas à base de outros peixes. Para produzir um quilo de dourada, gasta-se um quilo e meio de ração seca, o que pode equivaler a quase cinco quilos de peixe húmido. “Se estivermos a pensar só em peixes carnívoros, não resolve. O objetivo deverá ser encontrar uma espécie herbívora com um sabor que agrade aos consumidores”, defende o investigador do Centro de Ciências do Mar, Adelino Canário.
“Com uma gestão adequada, conseguiríamos os 160 milhões de toneladas que consumimos anualmente só com peixe selvagem”, garante o biólogo David Abecasis. A Europa começa a dar alguns passos importantes neste sentido. A par da definição dos tamanhos mínimos de captura, para assegurar que o animal chega à fase adulta e se reproduz (conseguindo fazer o dito recrutamento), há as interdições à pesca quando os stocks estão mais fragilizados e ainda a definição de quotas de pesca. Para breve está a proibição de atirar peixe fora. “Na pescaria do camarão, 80% do que é apanhado é lançado à água”, exemplifica David Abecasis.
O professor da Universidade do Algarve, Jorge Gonçalves, admite a dificuldade em controlar o processo. “Portugal até está bem organizado. Todo o peixe vai parar à Docapesca, que contabiliza tudo o que é pescado. Atingido o limite da quota, deixa de ser possível vender. Mas noutros países, mesmo europeus, não é bem assim.” E depois de termos posto em risco os grandes carnívoros, como o atum e o bacalhau, de estarmos e dar cabo dos robalos, poderemos estar a comprometer a nossa cultura gastronómica – e abdicar dos nutrientes essenciais que o peixe nos dá. “A própria indústria da pesca vai ter de se autorregular, ou perdemos todos.”
Fonte: Sara Sá - Visão

sexta-feira, 15 de julho de 2016

"Caçadores" do tsunami de 1755 encontram sinais da onda em praias do Algarve

Investigadores procuraram e encontraram vestígios da maior catástrofe natural a afectar Portugal. Nas zonas baixas, a água chegou a mais de um quilómetro da costa.


Pedro Costa é investigador do Departamento de Geologia da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa e costuma identificar-se a si próprio como "caçador de tsunamis".
Ele e uma equipa internacional de 11 investigadores de várias áreas andaram nos últimos anos à procura dos efeitos do tsunami de 1755 (a que também se pode chamar maremoto) na costa algarvia.

Um trabalho que pode parecer uma curiosidade, mas que tem utilidade prática pois ajuda a prever os efeitos de um evento semelhante no futuro e a perceber de quanto em quanto tempo é que Portugal costuma ser atingido por um tsunami tão grande.
No limite, espera-se que no futuro este tipo de estudos também resolva um mistério cuja resposta não reúne consenso entre os especialistas: qual foi o epicentro do terramoto que gerou o tsunami do século XVIII.
O investigador explica que o trabalho que já fizeram através de análises das areias em várias zonas do Algarve ou fotografias aéreas de radar permitem perceber que o tsunami de 1755 foi o único em três mil anos na costa portuguesa.
O último estudo, publicado há dias na revista científica Geomorphology, faz exactamente o retrato dos efeitos desse maremoto histórico nos cordões dunares do Algarve, nomeadamente na zona de Alcantarilha e Salgados, entre Armação de Pera e Galé.
Como encontrar sinais do tsunami
Pedro Costa admite que não é algo óbvio, mas é possível a qualquer pessoa menos experimentada, com algum esforço, encontrar em várias praias do Algarve sinais do tsunami que 'varreu' a costa em 1755.
O geólogo dá alguns exemplos e explica que na praia dos Salgados ou da Boca do Rio basta escavar menos de um metro para encontrar camadas arenosas relacionadas com o tsunami.
Além das areias, também há praias onde se encontram blocos de pedra diferentes do habitual, com conchas típicas de zonas mais profundas, trazidos para terra pelo evento de 1755.
Esses sinais que podem ser do tamanho "de uma melancia ou de um carro" são visíveis em algumas zonas do Algarve, mas também em Cascais, nomeadamente na Boca do Inferno ou no Cabo Raso, onde existem blocos que chegam a ter 50 toneladas e que foram "chutados" durante vários metros para terra pelas ondas do tsunami.
Fonte: TSF


7 olhares sobre o mar: Pedro Salgado

Biólogo, professor e ilustrador científico, Pedro Salgado sempre viveu perto do mar e sente-se em casa rodeado de peixes e vida marinha. Aos 56 anos, faz questão de partilhar um olhar estético que não esquece a vertente ética.

Que importância tem o mar na sua vida?

O mar esteve bem presente em toda a minha vida. Desde criança, o mar tem sido o meu terreno privilegiado de contemplação, curiosidade e fascínio, onde desenvolvi as minhas actividades de pesca, mergulho, desporto, estudos universitários, vida profissional... e até familiar: os meus filhos mergulham comigo desde pequenos. Vivo e sempre vivi perto do mar, que visito durante todo o ano. As minhas viagens são quase sempre perto do mar, e não dispenso o acesso regular ao mundo submarino.

O que acha mais importante partilhar com as pessoas sobre o oceano no teu trabalho?

Pela minha parte, talvez um olhar estético que nos remeta para a beleza do mar, suas harmonias e diversidade de formas fantásticas, um vasto mundo vivo com inúmeros padrões, cores, texturas. Esperar que as imagens possam contribuir de alguma forma para uma sensibilização das pessoas para o ambiente e o mar em particular, talvez até uma contribuição do estético para o ético. Talvez transmitir o respeito pelo mar, na sua riqueza em diversos níveis, e o respeito pela vida marinha, e também por nós próprios, que em primeira análise dependemos da saúde do mar.

Portugal tem aproveitado da melhor forma a localização geográfica que tem?

Penso que Portugal tem aproveitado de alguma forma a sua localização geográfica, mas duvido que seja o suficiente. Acredito que se pode pensar e fazer mais e melhor. Genericamente, penso que, com tanto mar que temos e tanto potencial, será de incentivar, cada vez mais, tudo o que se puder fazer para o cuidar, valorizar, intervir de forma positiva, de forma sustentável. Temos de pensar que mar vamos deixar para as próximas gerações.


Vamos ter de dizer adeus à Sardinha e ao Bacalhau?



Os portugueses não passam sem peixe: somos os terceiros consumidores a nível mundial. Mas a nossa preferência gastronómica pode estar em risco.

Poluição, alterações climáticas, desperdícios, má gestão dos recursos aquacultura e um consumo de peixe a nível mundial, sempre a subir desde 1961, levaram a que praticamente 90% dos recursos pesqueiros estejam sobre-explorados ou no limite da sustentabilidade. E a aquacultura, tal como tem vindo a ser praticada, também não é a solução: para fazer um quilo de dourada são precisos um quilo e meio de ração seca. Até quando vamos ter peixe?
Fique a par do estado do mar, com alguns indicadores
3,2%

Taxa de crescimento anual do consumo mundial de peixe, desde 1961
73,8

milhões de toneladas
De peixe produzido em aquacultura

41%

Do atum é sobre-explorado
160

milhões de toneladas
Consumo anual de peixe, no mundo

62%

Da produção de peixe em aquacultura está na China
1,5 kg de ração para produzir um quilo de dourada
Fonte: Visão

terça-feira, 12 de julho de 2016

Submarino português preso em arrastão. Não há danos nem vítimas.

O submarino português Tridente ficou hoje de manhã preso nas redes de um barco de pesca francês em águas britânicas, num incidente sem danos materiais ou humanos, disse o Estado-Maior General das Forças Armadas (EMGFA).


O incidente ocorreu durante uma missão de treino com a marinha britânica, na viagem de regresso do Tridente a Portugal, depois de ter estado em missão no Báltico, segundo o EMGFA.

"O Tridente veio à superfície para garantir a sua própria segurança e a do pesqueiro, libertou-se do cabo em que estava preso e continua a sua missão", disse à Lusa o porta-voz do EMGFA, Hélder Perdigão.
"Foi um pequeno incidente, não houve danos", acrescentou.
O incidente ocorreu cerca de 55 quilómetros a sudeste do Cabo Lizard, a ponta sudoeste da Grã-Bretanha, em águas britânicas.
O arrastão largou a rede, com a ajuda de meios da Marinha britânica e regressou a França, indica um comunicado do comando marítimo do Atlântico francês, citado pela France Press.

Pessoas com deficiência fazem surf na Caparica


"Anda. Não tenhas medo. Pões os braços assim (estendidas para a frente) e depois deslizas", dizia Paulo Moreira, enquanto exemplificava para Ana Clara Cruz, que ia ter a sua primeira aula de surf com os voluntários da Associação Surf For All, na Praia do Castelo, na Costa da Caparica, em Almada. Paulo e Ana são dois dos mais de 30 utentes portadores de deficiências cognitivas que esta quinta-feira participaram na quinta edição do maior evento de surf adaptado da Europa. "Este ano devemos bater o recorde, com uma média de cerca de 120 participantes", explicou ao CM Hugo Maia, presidente da associação e atleta da Selecção Nacional de Basquetebol em Cadeiras de Rodas. O evento, que começou na passada quarta-feira e terminou na sexta-feira, visou "proporcionar o prazer do deslizar nas ondas a pessoas portadoras de deficiências motoras e cognitivas. Mas também passar a energia que o mar dá e todo o ambiente que se vive", sublinha o atleta. "O maior desafio para estas pessoas é vencer o medo inicial, depois adaptam-se bem à água e alguns já voltam todos os anos", conta Tiago Rodrigues, surfista, empresário e um dos 35 instrutores voluntários, que das 9 horas da manhã às 16 horas ajudaram pessoas como o Paulo e a Ana a surfar. Cada um dos alunos especiais conta com a ajuda de três a cinco instrutores devidamente preparados para lhes prestar assistência. "Temos formação na área da saúde, da fisioterapia com as instituições que nos enviam os seus utentes, porque temos de estar preparados para lidar com todas as situações. Este ano recebemos participantes de 12 instituições e muito gratificante ver como todos os anos a adesão é maior", afirma Tiago Rodrigues.

O evento tem vindo a crescer e isso só tem sido possível graças aos patrocinadores e ao apoio da Câmara Municipal de Almada. É, aliás, a parceria com a autarquia que torna possível que Tiago Rodrigues, através da sua escola de surf Duck Dive, proporcione aulas de surf adaptado, e gratuito, a utentes de várias instituições todas as quintas-feiras, de Maio a Outubro. A emoção de pegar numa prancha, entrar no mar e apanhar uma onda era visível no rosto daqueles alunos especiais, a maioria da Fundação AFID Diferença. "Na água, sente-se assim… suave. Gosto de estar deitado, de barriga na prancha, ainda não consigo ficar de pé", explica Paulo Moreira, de 33 anos, que, na retaguarda, teve a ajuda de Joana Sales, jornalista do CM e uma das voluntárias. Também Luís Ferreira, 29 anos, contou que esta foi a "segunda vez" que fez surf e que diz nunca "ter tido medo". Já Ana Clara Cruz, 38 anos, depois do incentivo dos amigos, vestiu o fato e entrou na água. "Tive um pouco de medo, mas depois gostei. Quando a onda veio deitei-me na prancha. Queria ficar de pé, mas ainda não consigo", conta. Paulo Gomes, 76 anos, professor de natação voluntário na Fundação AFID Diferença, contou ao CM que alguns destes surfistas são seus alunos e que há três anos vivem este dia com uma imensa alegria. "É muito bom para eles esta oportunidade. Estão perfeitamente adaptados ao meio aquático, respeitam a água e não têm medo. Para eles é uma sensação de liberdade", revela. Uma sensação de liberdade por dentro que se traduziu em sorrisos de alegria por fora e que na passada quinta-feira encheram a Praia do Castelo na Costa da Caparica.

Fonte: CM

Porto de Sines apresenta taxa média de crescimento de 13,2% ao ano




Entre Janeiro e Maio, os portos do Continente movimentaram cerca de 36,9 milhões de toneladas, mantendo o nível de movimentação global quando comparado ao período homólogo de 2015, registando uma quebra de -3,1% na carga embarcada e um acréscimo de +2% na carga desembarcada. Sines, com uma taxa média de crescimento de +13,2% ao ano (considerando os períodos de Janeiro-Maio desde 2012), mantém a posição cimeira, representando 53,3% do total do movimento portuário, após ter atingido 19,6 milhões de toneladas.

Tal comportamento do sistema portuário é explicado principalmente pelas quebras de movimentação que se verificaram em todos os portos, à excepção de Sines que registou um acréscimo de +9,6%. Ao contrário de Sines, durante o período em análise, o porto de Lisboa registou uma quebra de -21,6% - influenciada pela quebra de -47,5% registada no passado mês de Maio - face ao período homólogo de 2015, explicada pela greve dos trabalhadores portuários nos primeiros 20 dias deste mês. Dos restantes portos, sublinha-se a quebra de Viana do Castelo (-1,4%), Setúbal (-1,8%), Leixões (-4,2%), Figueira da Foz (-7,2%), Aveiro (-13,8%) e Faro (-17,6%). 

Em termos de tráfego global de contentores, o porto de Sines mantém a posição de líder neste segmento de mercado com 53,9% do total de TEU (+1,5 pontos percentuais), seguindo-se Leixões com 26,9% (+0,8 pontos percentuais), Lisboa com 11,9%, descendo 2,6 pontos percentuais, e Setúbal com 6,5% (+ 0,1 pontos percentuais).

Explica a AMT que a carga embarcada, com origem no hinterland dos portos comerciais, na qual as “exportações” assumem um peso importante, registou no período de Janeiro-Maio de 2016, um volume de 15,5 milhões de toneladas, uma diminuição de cerca de -3,1% face ao período homólogo de 2015, representando 42,1% do tráfego total. A generalidade dos portos registou quebras no volume de carga embarcada, face ao igual período de 2015, como é o caso de Aveiro (-39,7%), Lisboa (-35,7%) e Faro (-17,6%). Apenas Viana do Castelo e Sines registaram variações positivas com +11% e +17,2%, respectivamente.

Quanto ao volume de carga desembarcada com destino ao hinterland dos portos, na qual as “importações” representam em regra mais de 90%, registou um aumento superior a +2%, face ao valor registado no mesmo período de 2015, atingindo 21,3 milhões de toneladas, explicado pela carga Contentorizada que registou um crescimento global de 14%.


Fonte: Cargo