quarta-feira, 6 de abril de 2016

2.º Festival do Ouriço-do-Mar na Ericeira


O 2.º Festival do Ouriço-do-mar (Paracentrotus Lividus) realiza-se entre 7 e 10 de Abril na vila da Ericeira, outrora Ouriceira, e dá a provar nas mesas de 12 restaurantes diversas receitas onde este é o ingrediente principal. A iniciativa integra-se na estratégia de valorização e promoção dos produtos endògenos do Concelho de Mafra.
Depois do sucesso da 1.ª edição em Abril de 2015, que levou milhares de forasteiros àquela vila para provar ouriços-do-mar, o Município de Mafra renova o desafio à restauração local para introduzir esta iguaria nas suas ementas, seja reinventando receitas, seja promovendo a forma mais simples de ser consumida: ao natural.
Da lista de pratos já agendados, viaje-se pelos restaurantes e faça-se já a opção para degustar. No Funky, o menu inclui Risotto de ovas de ouriço com espargos e camarão; A Tasquinha apresenta ouriços ao natural, sopa de ouriços e arroz do mar com ouriços; A Esplanada das Furnas e a Marisqueira Brisa sugerem ambas ouriço ao natural; ouriço na chapa, massa com ovas de ouriço, Risotto de ouriço com camarão grelhado e a venda de ouriço vivo são as amplas opções da Marisqueira César; e a Marisqueira Furnas cozinha açorda de ouriços, tal como o Restaurante A Panela.
O Dom Carlos opta pelo ouriço na grelha e ouriço ao natural com vinagrete de citrinos; vasta oferta no Restaurante Sul, com ouriço ao natural, ouriço assado, “Mergulho no Mar” (creme de ouriços com navalheira, mexilhão, percebes) e a sobremesa creme brulée com cristais de ouriço-do-mar; ouriço cru e ouriço cozido são as variantes do Tik Tak; no Ti Matilde, os clientes podem provar açorda de ouriços; e, por fim, o Uni Sushi tem dois pratos de ouriço: “Uni Maki” (uramaki de salmão com ovas de ouriço) e “Gunran Uni” (sushi enrolado com alga em forma de cesto com ovas de ouriço).
Estão apresentadas cerca de 15 variantes disponíveis nas mesas da restauração ericeirense durante 7 a 10 de Abril, sendo que muitas delas só serão confeccionadas para o 2.º festival e, por isso, são a oportunidade rara de comer ouriços como nunca se provaram.
A iniciativa é organizada pela Câmara Municipal de Mafra com o apoio da Junta de Freguesia da Ericeira.



Mistério do Triângulo das Bermudas pode ter explicação


Cientistas podem ter descoberto o segredo do famoso Triângulo das Bermudas: explosões de bolhas de metano, acumuladas no fundo dos oceanos e capazes de afundar barcos de grande porte.
A investigação dos cientistas parte da descoberta de crateras gigantes no fundo do mar em redor da costa da Noruega, em áreas onde as bolhas gigantescas de metano podem ter explodido.
Os grandes abismos no fundo do oceano têm cerca de 800 metros de largura e 150 pés de profundidade e podem ter sido causados por vazamento de gás a partir de depósitos de petróleo e gás enterrados no fundo do mar.
"Existem várias crateras gigantes no fundo do mar em uma área no mar de Barents e são, provavelmente, uma causa de enormes explosões de gás", adianta um dos pesquisadores da Universidade do Ártico da Noruega.
Os cientistas desenvolveram recentemente um radar que pode mostrar imagens detalhadas do leito do mar, de acordo com um relatório publicado pelo "Sunday Times". Os gráficos retratam áreas de infiltração de metano ao redor do globo. As descobertas podem oferecer explicações científicas para relatos de marinheiros, que observaram a formação da bolha e de espuma sem causa aparente.
Mais detalhes sobre estas pesquisas serão revelados em Abril na reunião anual da União Europeia de Geociências, onde uma das questões em debate será se as bolhas de metano poderiam ameaçar a segurança dos navios. Uma teoria que poderia assim ajudar a explicar o desaparecimento de navios no famoso Triângulo das Bermudas.
A zona, também conhecida como o "Triângulo do Diabo", é uma área ocidental do Oceano Atlântico Norte delimitada por Bermuda, Porto Rico e um ponto perto de Melbourne, Florida, onde vários navios e aviões desapareceram misteriosamente ao longo dos tempos. Desde que os registos começaram em 1851, estima-se que mais de oito mil vidas se perderam no Triângulo das Bermudas.
Fonte: JN

Há uma zona nos mares que pode alimentar o mundo


Há uma zona nos mares entre os 200 e os mil metros de profundidade que "pode alimentar o mundo" mas cuja exploração deve ser cautelosa, alerta estudo.

 O estudo foi publicado na revista "Frontiers in Marine Science" e alerta para o risco da exploração excessiva daquela zona, "que alberga uma vasta comunidade de peixes, lulas e crustáceos, e cuja biomassa ultrapassa a totalidade das pescas feitas actualmente em todo o mundo", explica um comunicado da Faculdade de Ciências de Lisboa.
Da equipa de autores do estudo faz parte Ricardo Serrão Santos, do MARE-Universidade dos Açores, que em conjunto com cientistas de instituições espanholas, dinamarquesas e britânicas diz que "há uma mina de ouro para alimentação humana" entre os 200 e os mil metros (chamada zona mesopelágica), fonte de proteínas e ómega-3, mas que ainda é pouco conhecida.
É uma das zonas menos investigadas do ecossistema de mar aberto e uma das "grandes lacunas no nosso conhecimento", explicou Ricardo Serrão Santos numa declaração por escrito, acrescentando que só recentemente "se verificou que a biomassa existente neste ambiente é extremamente superior ao que se suspeitava".
"As estimativas de biomassa com base em arrasto pelágicos subestimaram sistematicamente a abundância de peixes mesopelágicos que, se sabe agora, têm reacções e comportamentos/reacções que permitem escapara às redes", disse.
De acordo com o cientista (que também é eurodeputado), a investigação não é fácil e também não tem havido exploração comercial e industrial, que ainda não é economicamente viável.
No futuro, admitiu, essa zona de profundidade do mar pode ser explorada para produção de farinhas e óleos a partir dos peixes, considerados muito ricos em ómega-3.
Ricardo Serrão Santos explicou que os organismos que vivem nessa zona do oceano vêm à noite à superfície para se alimentar e protegem-se durante o dia nas águas profundas. É lá a "grande reserva alimentar" dos predadores oceânicos (como atuns ou tubarões).
"Pensa-se que a biomassa de peixes pelágicos (e só peixes, sem contarmos com o invertebrados) é 100 vezes a captura anual mundial de pescado e 200 vezes a biomassa estimada de 24 mil milhões de frangos do mundo que é considerado o mais numeroso vertebrado à superfície da terra", explicou o cientista.
De acordo com o comunicado, o estudo desta "quinta dimensão" do planeta deve ser encarado com prioridade e antes de se iniciar a exploração tem de se começar a fazer o conhecimento "tão vasto quanto possível", dos habitats.
Para uma posterior regulação da actividade pesqueira mas também para conhecer a biologia das populações, o seu papel na cadeia alimentar, a importância em termos de regulação climática.
"A quantidade de vida mesopelágica é enorme e como tal desempenha um papel fundamento no ciclo do carbono global. A água do mar absorve toneladas de dióxido de carbono da atmosfera, incluindo a que é produzida pela queima de combustíveis fósseis. Os organismos, como os peixes mesopelágicos, usam carbono para construir os seus corpos", explicou Ricardo Serrão Santos.
Por isso, disse ainda, esses peixes são "aliados" contra as mudanças climáticas, como são fundamentais para a alimentação de grandes predadores e de aves marinhas, pelo que é necessário cuidado na exploração do recurso.

Resgatada num restaurante, “Marina” está de volta ao Mar




Foi libertada ontem (5 de Abril) a pequena leoa-marinha que havia sido descoberta, há dois meses, a dormir numa das mesas do Marine Room, um restaurante costeiro de San Diego, na Califórnia, famoso pela ementa de petiscos marinhos.
Baptizada “Marina”, a pequena fêmea de apenas 9 quilos e cerca de 8 meses de vida foi recolhida na manhã de 4 de Fevereiro pelo Centro de Resgate Animal. Estava esfomeada e desidratada, revelando metade do tamanho que seria normal para a idade. Após oito semanas de reabilitação, “Marina” foi libertada no oceano Pacífico, ao lado de outros oito leões-marinhos também resgatados pelo centro.

sexta-feira, 1 de abril de 2016

Mergulhador que andou nove horas à deriva no mar


Numa semana em que um acontecimento na Madeira espantou o país - uma turista atirou-se ao mar para apanhar o cruzeiro onde seguia o marido -, o Expresso recupera um acontecimento de outrora de quem teve de lutar contra a água - não porque se atirou, mas porque foi atraiçoado pelo acaso. Esta é a incrível história de sobrevivência do mergulhador Acácio Paulino, num testemunho relatado na primeira pessoa. Ele que teve de cantar e discutir consigo próprio para sair vivo do impossível. E que gastou as unhas dos pés (as barbatanas ficaram todas esfaceladas à frente) e ficou com a pele das pernas escamadas nas quase nove horas em que lutou contra o mar.

o consigo sair desta corrente! É humanamente impossível. Estou a ir para o largo. As ilhas estão cada vez mais longe. Já está a escurecer, vão parar as buscas, se é que estão à minha procura. À velocidade a que me estou a afastar nunca mais me vão encontrar. Vou-me embora para sempre. Nunca mais vou ver a minha mulher, os meus filhos, o meu netinho, a minha mãe não vai aguentar, vai morrer do coração. Que sofrimento para todos! Que medo! É este o meu fim!? Como é que isto aconteceu?!
Abortar mergulho! Abortar mergulho! O Vaz vai ter de esperar por outra altura para conhecer a gruta da pedra do Rabo do Asno. A água vem com muita força do lado norte da gruta e como afunila deste lado. Isto hoje aqui nos Farilhões não está para brincadeiras. Uau! Estamos a ser atirados para cima! Não estou a gostar nada disto: estivemos pouco tempo lá em baixo mas descemos até aos 32 metros de profundidade. A subir a esta velocidade ainda temos um acidente de descompressão e desmaiamos, que é o que acontece se o azoto se liberta em bolhas no organismo. Temos de voltar a descer até à profundidade da entrada da gruta, para os 27 metros. Quero lá saber da corrente! Com ela posso lutar.
Eu e o Vaz estamos bem agarrados um ao outro. O computador de mergulho diz para pararmos nos três metros mas não conseguimos, já chegámos à superfície e estamos longe da pedra - fomos arrastados pela corrente lateral. Aqui as vagas estão jeitosas. O Luís não nos consegue ver do barco. Devem ser umas três da tarde, descemos há cerca de meia hora, ele já percebeu que alguma coisa correu mal.

Esta corrente tem tanta força que parece o caudal de um rio durante as cheias. Vou de costas, mas assim consigo olhar para o Vaz, que vem de frente. Estamos a afastar-nos um do outro - como ele é mais corpulento é menos arrastado. Um «jerrican» vazio, deve estar preso a redes dos pescadores... não o consigo apanhar. «Vaz! Vaz! Está uma bóia ao teu lado direito, agarra-a e não a largues!!» Já não o vejo. Será que se agarrou?
Concentra-te: não posso fazer esforços porque a descompressão foi mal feita e tenho de me poupar para o caso de ter uma oportunidade de me safar; e não posso largar equipamento, porque quanto mais pesado estiver menos arrastado sou. Começámos a preparar este mergulho há uma semana, mas qual estratégia. É a impotência total! Já mal vejo as ilhas. A minha mulher já deve saber. Ainda ontem estive com o meu neto, o Francisco, um bebé. Filhos, Tiago, Miguel! Mãe! Nunca mais vos vou ver! Vou morrer!
Tenho que me preparar para passar aqui a noite. Se há buscas sei que vão parar quando anoitecer, é sempre assim. embora de noite pudesse fazer sinais de luzes a um helicóptero ou barco. Só que ninguém vai ver, vão abandonar-me aqui. Será que resisto? O fato é de sete milímetros, protege-me, nem tenho muito frio. Mas já bebi tanta água! Cada vez que sopro o apito ainda engulo mais. Se me vierem buscar depressa o pior que me acontece é ter um desarranjo intestinal. Estou em fraqueza, só comi meia sandes e bebi água. Estou a digerir toda a água salgada e como é tóxica aumenta a desidratação. O que li nos manuais de sobrevivência? O efeito dos sais faz adormecer e isso é o fim. Tenho de ir metendo os dedos à boca para ir vomitando esta água.

Sempre tão cuidadoso com a segurança, e, afinal, não me está a valer de nada. Venho cheio de material, carreguei três lanternas, afiei a faca, troquei a bússola. Que desespero! O que vou fazer? Espera aí: há uma ondulação diferente do lado direito? Parecem ondas. estáticas, que enrolam sem força. Isto só pode significar que há aqui uma contracorrente! É a oportunidade de eu sair desta corrente! Vou-me atirar para cima destas ondas. Ah, já não estou a ser arrastado. E agora?
Amigos que sabem do mar mais do que eu, se estivessem aqui o que fariam? Alberto Pais, meu monitor, Amadeu Cunha, que me emprestaste o fato para eu fazer o curso, Fernando Pina, que me assinaste a caderneta de mergulho, Tony Bessone, grande campeão, preciso da vossa força! E todos os outros, os que ainda cá estão e os que já se foram, ajudem-me! Se há um deus ou deuses, que me ajudem!
Não posso pensar mais na família! O pior que me pode acontecer é ter pena de alguém ou de mim próprio. Que raiva! Ó meu cobarde de m. tu que andas há 30 anos no mergulho, tu que és monitor, tu que tens salvo tanta gente, não vais fazer nada por ti?! Mexe-me esse cu, só tens 52 anos. É preciso bater-te? Tens os teus dois cães à espera para lhes dares comida! Estás por tua conta. Só me resta voltar a nado para as ilhas.
Vamos! Tenho de tomar medidas para nadar. Largo o cinto de chumbos, dispo o colete para nadar de frente, viro o equipamento ao contrário e faço dele uma prancha. Acendo uma luz porque se perco o equipamento nunca mais o encontro. E não posso apanhar outra vez aquela corrente. Vou cantar, fico mais acordado. Começo com Zeca Afonso. E vou contar anedotas.
O pôr-do-sol é lindíssimo. Se calhar é o último que vejo. Agora até me sinto bem, confortável. Estou tão cansado, acho que vou adormecer, que bom. Aliás, estou a dormir e a ter um pesadelo, vou acordar, se calhar com a cama toda alagada, mas bem, porque é impossível estar a passar por tudo isto. Não, não! Estou a perder a consciência. Vou-me afogar. É melhor tirar a máscara para levar com a água na cara. Respiro só pelo tubo. E mantenho os olhos abertos para me sentir o mais incomodado possível.
Já está noite, uma noite de Lua Nova perfeita, com tantas estrelas cadentes. As ilhas parecem uma massa negra de pedras. Não tenho profundidade de campo, não sei o que está a 500 metros ou a mil. Mas vejo o farol. Sei que é entre o Farilhão do farol e o Farilhão do Nordeste que há canais para uma enseada. Estou outra vez sonolento. Meto água no fato junto à cabeça, vou arrefecer mas é a maneira de acordar. Mas também posso manter o calor com a urina. Quem diria?! Sempre a fazer o pino para a urina sair e agora a aproveitá-la toda dentro do fato.
Três luzes a norte!? São barcos!? Já não vou para as ilhas... As luzes estão muito estáticas! Ai, não, são bóias iluminadas de redes. Tenho de chegar à tal enseada mais abrigada. Mas onde está a entrada? É tão diferente vir aqui de barco de dia. Isto é um labirinto de pedras grandes e pequenas. Que rebentação! Tive tanto trabalho e agora vou ser espetado contra uma pedra! Isto é tão escarpado, haverá algum sítio para subir? Devo estar a nadar há umas cinco horas. Vou apitar mais e gritar, o eco é enorme no meio destes pedregulhos. Se passar entre aquelas duas pedras entro no canal.
Ali no recorte da pedra do farol é uma luz!? Não, é a noite estrelada. Mas a luz mexe-se, está a incidir na escarpa. Não há dúvida nenhuma que é gente. Ouviram o apito! Ouviram o apito! Vou fazer outra vez sinal de morse, SOS, SOS. Olha um foco de luz sobre mim. Isto é tudo espuma. Será que me vêem?
Vão-se embora, só podem ir chamar ajuda! É só aguentar-me aqui a nadar entre estas duas pedras. Lá vêm novamente e também estão a fazer SOS. Não estou a sonhar! Despachem-se! Despachem-se! Já passou mais de hora e meia. Finalmente! A lancha do Instituto de Socorros a Náufragos.
As quase nove horas que andei à deriva no mar foram uma experiência tão violenta que não se apagou de um momento para o outro: daí ter tido uma espécie de alucinações, julgando, por exemplo, que ainda estava no mar quando já me encontrava no hospital, e ter levado semanas a recuperar a memória dos acontecimentos.
Nessa noite perdi mais de sete quilos, gastei as unhas dos pés (as barbatanas ficaram todas esfaceladas à frente) e a pele das pernas escamou toda. O meu amigo Vaz conseguiu agarrar a bóia que lhe indiquei e foi recolhido pelo Luís.
Vou voltar a mergulhar no mesmo local (onde já tinha mergulhado antes), não para afastar fantasmas, mas porque comparo este acidente a um acidente de viação, após o qual se volta a conduzir. O meu filho mais velho, o Tiago, de 27 anos, discorda. Ele mandou emoldurar o apito que me salvou e ofereceu-mo pelo Natal. Tinha comprado três apitos desses, por brincadeira, nos Estados Unidos, a uns cinco dólares cada, e só agora fiquei a saber que são utilizados por dezenas de departamentos de salvamento dos EUA e do Canadá. A minha mulher, a Ana, de 41 anos, compreende a grande importância que o mergulho tem para mim, até porque ela é também mergulhadora. Quanto à segurança, atenção à formação do mergulho amador. A rapidez com que alguns cursos são ministrados - meia dúzia de horas de piscina e alguns «on line» - não permite aos alunos adquirir os conhecimentos teóricos, e muito menos práticos, que possibilitem desenvolver uma estratégia de salvamento. Daí que muitas pessoas não utilizem lanternas seguras, apitos e até bússolas.
Quanto aos meios de socorro e de salvamento, a Marinha e a Força Aérea têm um grande mérito nas acções que permitem salvar tantas vidas no mar. Mas quando assistimos a um caso como o do «Luz do Sameiro», ocorrido recentemente perto da Nazaré, há que reconhecer que há muito a fazer. O meu caso é elucidativo de que a táctica das autoridades está errada: o socorro a náufragos não é só melhorado pela aquisição de meios; também terá que haver muito menos burocracia e mais rapidez nas decisões e nas intervenções.
Apenas uma lancha do ISN fez buscas durante pouco mais de uma hora, porque, como é habitual, as operações foram suspensas ao anoitecer. Às 21h20, mais de cinco horas após ter sido dado o alarme, a minha mulher contactou o Maritime Rescue Coordination Centre (organização internacional de que Portugal faz parte). Foi-lhe dito que havia uma fragata e um helicóptero, mas que a sua utilização ainda estava «sob consideração». Será tão difícil perceber que deixar um náufrago em águas tão frias e revoltas como as da nossa costa é uma autêntica condenação à morte? Os meios têm a obrigação e a capacidade tecnológica para actuar de dia e de noite, com chuva ou sol.
E, havendo pessoas numa ilha (os biólogos que ouviram o apito e avisaram para as Berlengas), não seria natural que fossem alertadas para a existência de um náufrago?
Também não faz sentido que num barco destinado ao resgate e salvamento de pessoas no mar não existam cobertores nem um «kit» de administração de oxigénio.
Com o meu próprio, já fiz 14 salvamentos no mar.
Fonte: Expresso





Retirada baleia anã da praia no Algarve


Na tarde de dia 28 de Março o Comando-local da Polícia Marítima de Vila Real de Santo António, em articulação com os Serviços Municipais de Proteção Civil da Câmara Municipal de Castro Marim, procedeu à remoção de uma baleia anã. Esta arrojou na praia da Alagoa em Altura, no Algarve.
Segundo informações disponibilizadas pela Autoridade Marítima Nacional o cetáceo era uma cria de baleia anã fêmea, que se encontrava extremamente magra e com o estômago vazio. Condições que leva a crer que se tivesse perdido da sua progenitora.
Uma Bióloga da Sociedade Portuguesa da Vida Selvagem deslocou-se ao local, para recolher dados biométricos e amostras para futuros estudos histopatológicos.
O cetáceo foi retirado da praia e enterrado em local próprio.

Famosos despem-se para ajudar os peixes



Os retratos de famosos despidos por uma boa causa não é novidade. Mais inusitado, embora também não seja a primeira vez, é que os ditos estejam cobertos de… peixe. 
A série de retratos Fishlove faz parte da campanha de uma associação homónima que luta contra a destruição dos oceanos pelas práticas piscatórias desenfreadas.
A organização pretende alertar para o colapso do stock de algumas espécies, cujo desaparecimento seria, segundo os cientistas, “catastrófico” até em termos de alterações climáticas. Para conferir que artistas resolveram cobrir-se de sashimi ao mais natural nível (leia-se, simplesmente, de peixe) em vez de ir jantar ao sushi.
Fonte: Sol

Hugh Jackman salva filho e homem do mar


O episódio aconteceu no passado sábado na Austrália. O actor e a família estavam na praia quando a corrente marítima puxou o seu filho e um outro homem. Jackman conseguiu salvar ambos do mar.

Foi um susto que acabou da melhor forma possível. Hugh Jackman salvou o filho de 15 anos e um outro homem do mar. Ambos estavam a ser puxados por uma forte corrente marítima quando Jackman reagiu. A notícia do “salvamento incrível” está a correr pelas redes sociais.

O actor estava com a família na praia de Bondi, em Sydney (Austrália), quando tudo aconteceu. O filho Óscar saiu ileso tal como o outro homem, num episódio que aconteceu este sábado. Segundo várias testemunhas, Jackman preocupou-se também em alertar outros nadadores para virem para terra.
Lynzey Murphy, uma das presentes ouvidas pelo Sunday Telegraph de Sydney, contou que as condições marítimas mudaram “rapidamente” mas o actor “conseguiu manter a calma”. Explica a testemunha: “Quando estávamos na água 20 minutos antes estava tudo bem. Depois o nível do mar subiu muito rapidamente”, refere o The Guardian.
Depois do salvamento, as estações de televisão ainda tentaram obter declarações do actor, mas Jackman disse estar “demasiado abalado” para falar. A praia ficou fechada durante algum tempo. Recorde-se que Hugh Jackman tem apelado ao uso de protector solar na praia depois de lhe ter sido diagnosticado cancro de pele.
Fonte: Observador

Mulher que perseguiu cruzeiro a nado teve surto psicótico agudo

Uma turista de nacionalidade inglesa foi resgatada pouco depois da meia-noite de domingo, por pescadores madeirenses, a 500 metros da costa, na zona de Santa Cruz.


A cidadã inglesa, de 65 anos, chegou no sábado à Madeira, acompanhada do marido, no navio de cruzeiro Marco Polo, da Cruise & Maritime Voyages, mas quando este zarpou, cerca das 20h00, ela não se encontrava a bordo.


O comandante da Capitania do Funchal, Félix Marques, relatou que até ao momento só é conhecida a versão da mulher, que informou às autoridades que depois de terem desembarcado no Funchal, ela e o marido compraram bilhete de avião com destino a Bristol. "Já no aeroporto, o marido disse, segundo o relato da senhora, que afinal apanhava um táxi e regressava ao navio, mas isso não aconteceu e ele embarcou no avião", explicou Félix Marques, considerando que terá sido neste contexto de desorientação que a turista acabou por se atirar ao mar, quando viu o Marco Polo passar pela zona de Santa Cruz, cerca das 20h30. A turista terá estado na água mais de três horas até ser socorrida.

Félix Marques explicou que, por volta da meia-noite, a tripulação de um pequeno barco de pesca, que se encontrava a 500 metros da costa, ouviu-a gritar e acabou por a socorrer, transportando-a para a zona de São Pedro, no concelho de Santa Cruz. Os Bombeiros Municipais de Santa Cruz fizeram depois o transporte da turista, que estava bastante debilitada, para o Hospital Dr. Nélio Mendonça, no Funchal. Mais tarde foi transferida para a Casa de Saúde Câmara Pestana (hospital psiquiátrico para mulheres), tendo-lhe sido diagnosticado um surto agudo psicótico.


O navio, que vinha de Barbados, deixou o porto do Funchal às 20h00 de sábado, tendo seguido viagem para Lisboa, onde atracou na passada segunda-feira, pelas 07h00. 
Uma turista de nacionalidade inglesa foi resgatada pouco depois da meia-noite de domingo, por pescadores madeirenses, a 500 metros da costa, na zona de Santa Cruz.


A cidadã inglesa, de 65 anos, chegou no sábado à Madeira, acompanhada do marido, no navio de cruzeiro Marco Polo, da Cruise & Maritime Voyages, mas quando este zarpou, cerca das 20h00, ela não se encontrava a bordo.


O comandante da Capitania do Funchal, Félix Marques, relatou que até ao momento só é conhecida a versão da mulher, que informou às autoridades que depois de terem desembarcado no Funchal, ela e o marido compraram bilhete de avião com destino a Bristol. "Já no aeroporto, o marido disse, segundo o relato da senhora, que afinal apanhava um táxi e regressava ao navio, mas isso não aconteceu e ele embarcou no avião", explicou Félix Marques, considerando que terá sido neste contexto de desorientação que a turista acabou por se atirar ao mar, quando viu o Marco Polo passar pela zona de Santa Cruz, cerca das 20h30. A turista terá estado na água mais de três horas até ser socorrida.

Félix Marques explicou que, por volta da meia-noite, a tripulação de um pequeno barco de pesca, que se encontrava a 500 metros da costa, ouviu-a gritar e acabou por a socorrer, transportando-a para a zona de São Pedro, no concelho de Santa Cruz. Os Bombeiros Municipais de Santa Cruz fizeram depois o transporte da turista, que estava bastante debilitada, para o Hospital Dr. Nélio Mendonça, no Funchal. Mais tarde foi transferida para a Casa de Saúde Câmara Pestana (hospital psiquiátrico para mulheres), tendo-lhe sido diagnosticado um surto agudo psicótico.


O navio, que vinha de Barbados, deixou o porto do Funchal às 20h00 de sábado, tendo seguido viagem para Lisboa, onde atracou na passada segunda-feira, pelas 07h00.